Bisho Extreme Fest: festival catarinense de música extrema já tem data e primeira banda confirmada

A produtora Bisho Extreme Produções, que além de produzir pequenos eventos e ajudar bandas em turnê fazendo eventos na cidade de Tubarão/SC e região, tem como seu pilar o evento "Bisho Extreme Fest" que acontece anualmente, na cidade acima citada.

Com as duas primeiras edições realizadas no Congas Music Beer, que recentemente anunciou encerrar suas atividades e com o fortalecimento da parceria com a casa Caverna Kilmister, o Bisho Extreme Produções anuncia que a edição de 2019 será então na Caverna Kilmister.

E iniciando o ano, é anunciado a data e a primeira banda a compor o cast desta edição, portanto  o 3º Bisho Extreme Fest acontecerá no Caverna Kilmister no dia 13 de Julho de 2019, e a primeira banda confirmada:


A primeira banda a ser anunciada ao caos no dia 13 de julho é nada mais nada menos que:

Rotten Penetration, uma banda de gênero Splatter Death Metal fundada no ano de 2002 por Aécio Valenti na cidade de Bento Gonçalves, estado do Rio Grande do Sul - Brasil.

Formada por:
Lucas Lazzarotto - vocal
Aécio Valenti - bateria
Vagner Cappellaro - baixo
Alex Correa- guitarra


Siga o Bisho Extreme Produções

Conheça: Desabar (Maceió/AL)

Desabar é uma banda maceioense de Rock formada recentemente em 2017.




Assistindo de camarote a derrocada da democracia brasileira e como a internet da voz a quem finge saber do que falar, das certezas e garantias que pareciam estar diante de nossos olhos. Marcado pela incerteza, arrependimento e frustração pela vida que parecia ser outra coisa.

O primeiro disco da banda atesta como os esforços do mercado e da cultura para conformar sonhos e vozes deixadas para trás, uma nação descontrolada, ansiosa e cheia de conflitos.

Sonoridade que soa como o Grunge, navega pelo alternativo e depois se mergulha pelas suas características ímpares, soando como algo já visto antes e ao mesmo tempo inovador e criativo, com ótimas linhas melódicas e com ousadia do Punk em suas veias.

Sobre o disco:
Lançado em 13 de Março de 2018.
“Desabar” foi gravado ao vivo no estúdio da MPG Produções em Maceió.
Mixagem: Yann Costa e Silva;
Arte da capa: Alexander Zanin;
Lançado por: Transtorninho Records, Oxenti Records, Súbita Records.

Desabar é:
Erick Chaves - vocal
Gustavo Barbosa - guitarra
Pedro Correia - bateria
Victor Pita - baixo
Wagner Almeida - guitarra

SIGA DESABAR

No Gracias: assista o videoclipe “Ponte para o Passado”


A banda No Gracias lançou recentemente o videoclipe para seu último single, a música “Ponte para o Passado”. Lançada no início do segundo semestre de 2018, a canção passa a contar com o vídeo oficial produzido pela Bumbá Produtora de Conteúdo e com direção de fotografia e finalização de Juliano Ambrosini. A direção e montagem ficou a cargo de Gérson Silva, que já dirigiu os dois clipes anteriores da banda, “2016” e “Globotomia”.

Gravado nas dependências da Associação Cultural Vila Flores, em Porto Alegre (RS), o vídeo reflete a visão do grupo em relação aos recentes acontecimentos políticos e sociais que se amplificam através das redes socais.

Rafael Midugno, guitarrista da banda, fala sobre a conceito do vídeo: “A estética deste vídeo reflete a mistura do que a banda vinha fazendo na sua fase democlipe, baseada na colagem de fotos e vídeos disponíveis na internet, com imagens da banda capturadas em estúdio. As imagens projetadas podem ser interpretadas como a forma como incidem os fatos cotidianos sobre as nossas vidas, além de transmitir a fragilidade do ser humano diante da realidade muitas vezes cruel, que reduz os cidadãos a objetos. Encarar o mal de frente faz parte da luta pelo protagonismo de cada pessoa” - explica Rafael.

Assista o videoclipe

O vocalista e guitarrista Pablo Gusmão Rodrigues ressalta: “O clipe tem a ver com a proposta da banda e, ao mesmo tempo, tem uma estética que vem da mão do diretor. De nossa parte, é um clipe em que aparecemos tocando e que mostra imagens compiladas que aparecem em uma sequência que é um roteiro de ilustração da letra e do clima geral da música. A partir disso, o Gérson, com quem já tínhamos feito os clipes de 2016 e Globotomia, pensou em trabalhar com imagens projetadas em nós mesmos, o que acabou dando uma cara própria para esse clipe” - conclui Pablo.

A música também faz parte da coletânea Hard Core contra o Fascimo RS, lançado no fim de 2018 pelas produtoras Som de Peso e Rock’n John Produtora. Além de “Ponte para o Passado”, o álbum conta com mais vinte e quatro canções de diversas bandas do cenário Punk e Hard Core do RS.

Fonte: Insanity Records

Macchina: novo single "Listen To What I Say" é lançado nas plataformas digitais


A banda Macchina liberou nas plataformas digitais seu mais novo lançamento, o single “Listen To What I Say”. O novo trabalho foi gravado, mixado e masterizado no Bay Area Estúdios por Diego Henrique Rocha entre setembro e outubro de 2018 e foi produzido em companhia por Diego e a própria banda.

Este novo single apresenta a nova fase da banda, já que decidiu apostar em mais peso e melodias nas harmonias das músicas, sendo agora um quarteto com a entrada do guitarrista Atila Viggiani, após muitos anos atuando como power trio.

A formação atual da banda é composta por Anderson “Punkinho” Mattiello (guitarra/vocais), Atila Viggiani(guitarra), Marvin Rodrigues (baixo) e Renan C. M. (bateria).

O single já está disponível para streaming e vendas digitais nas seguintes plataformas: Spotify, Deezer, Itunes, Amazon e Apple Music.

Links para o single:


Fonte: Black Legion Productions

Cobertura: 1º Cadaverina Fest (São José/SC)

Por: Éder Freitag

Eis que uma tempestade se anuncia na noite de 12 de Janeiro. Foi em São José - SC que as almas caídas se reuniram no Beco Pub para apreciar e celebrar o que veio a ser o "1º Cadaverina Fest". Duas hordas de Black Metal (uma tão jovem, e a outra já veterana de guerra) fizeram parte do cast, ISFET e POSTHUMOUS, evento este feito pela Scream Metal Produções.


O Publico foi adentrando ao estabelecimento pouco a pouco, pegando suas cervejas, ocupando as poucas mesas, já que se trata de um local pequeno, (de sugestiva lotação máxima de 69 pessoas, indicado já na entrada), porém aconchegante. Foi notável a familiaridade de alguns com o Beco, como se já fosse da casa, e outros que observando as paredes decoradas com cartazes de passados e futuros eventos do Pub aparentavam estar pisando lá pela primeira vez.

ISFET foi a primeira banda a se apresentar, e fiquei surpreso também em vê-los subindo ao palco sem contrabaixo, apenas com bateria e duas guitarras, mas conversando com eles após o evento disseram que o baixista sofreu um acidente, justificando assim a ausência. O então trio de Florianópolis começou com uma breve falha na guitarra, mas não impediu de executar um curto e ótimo instrumental, anunciado como novo single que estará no próximo album com lançamento previsto ainda este ano. Continuaram com "Deeds of Imperfection", "Tragedy Comes Ashore", "Shards From A Formless Past" (que dá o título do primeiro álbum). Após uma breve pausa com "Outro: Flew The Noxious Swarm", tomaram folego e continuaram com "In Silence I Dwell" e "Towards Blossoming Sedition". Anunciaram o fim com uma versão de Danzig, "Tired Of Being Alive" e um inusitado e belo dueto de guitarras da Sonata Nº6 de Niccolo Paganini. Me senti surpreendido com a juventude dos integrantes que executam ótimas composições com riffs gélidos como o Black Metal deve soar, e boa desenvoltura entre os guitarristas, Lucas U. e João R. Aguardemos ansiosamente por futuras apresentações!



Com a casa quase cheia e já inebriados na atmosfera obscura, a lendária horda POSTHUMOUS, oriundos de Criciuma, reinicia a guerra sonora visitando todas as fases da banda, que após um grande hiato reuniram novos membros e voltaram na ativa em 2017. Eis que iniciam com "Prelude to the Posthumous Meeting", "The Raping of Saints" e "Fuckhrist", presentes na segunda Demo "Lust upon the Altars of Blasphemy". 

O baile infernal prossegue voltando aos primórdios com a lúgubre e tempestuosa "Emotional Sarcasm". Hinos do álbum "My Eyes, They Bleed" não ficaram de fora, como "An Erotic Summoning", e em seguida apresentaram "On The Wings Of Azazel", indicando que têm coisa boa pra ser lançada. "Final Sacrifice" da primeira Demo de 1994 e "Splendour On Fire" gravada em uma coletânea Belga de 1998 marcaram presença antes da classica "Crucified Carcass". Outro novo hino foi apresentado aqui, "Shub-Niggurath Ye Goat", seguido de "Crowley Hordes Attack", "Zyklon-B: Massive Killing Weapon" também do supra-citado debut. A maturidade e técnicas apuradas de todos os integrantes foram nitidas durante o show, com destaque aos urros abissais de R. Satan, e a pancadaria frenética de J.V.A-K. A intensa apresentação chega ao grand-finale com cover do Sarcófago "Christ's Death", mas o público insaciado pedindo bis fizeram a banda soltar mais duas canções novas (para a alegria dos fãs) "666 Ways To Kill" e "Unholy Necrometal Artillery".




Para concluir é importante destacar que como todo bom evento underground, este também encerrou-se sem intrigas, desavenças, nem oposições, apenas boas interações entre o atendimento da casa, os bangers presentes e as ótimas bandas que deixaram aquele desejo de ver novas apresentações. Enfim, todos unidos para celebrar e cultuar o Metal Negro!

Fotos, texto e cobertura por Éder Freitag.

O Rappa: falece com 53 anos, fundador da banda Marcelo Yuka

Marcelo Yuka, que na verdade era nome artístico de Marcelo Fontes do Nascimento Vaian de Sanata Ana, que foi um músico, compositor, ativista e palestrante, sendo conhecido como um dos fundadores da banda O Rappa e posteriormente do grupo F.UR.T.O.



Era baterista até ser baleado em um assalto no ano de 2000, fato que o deixou paraplégico, impossibilitando-o de tocar bateria. Sendo assim, notabilizou-se como compositor da maioria das canções do Rappa no período em que esteve na banda, com letras carregadas de intenso teor social e crítico. Lutou até seus últimos dias de vida através de uma ONG por realização de pesquisas com células tronco.

No dia 4 de janeiro, muitos veículos se precipitaram e anunciaram a morte do músico, o que não era verdade. O mesmo encontrava-se em coma induzido, vindo a falecer nesta madrugada de sábado (19). Já que estava internado em estado grave por conta de um quadro de infecção generalizada. O músico sofreu um acidente cerebrovascular (AVC) no dia 2 de janeiro, sendo que no meio do ano passado já havia tido outro AVC.

Músicas como "Minha Alma", "Me Deixa" e "Todo camburão tem um pouco de navio negreiro" que são clássicos indiscutíveis do Rappa, foram escritas por Marcelo Yuka, que teve sua saída oficializada em 2001 meio que conturbada do grupo, alegando a alguns veículos ter "sido expulso".

No fim, lamentamos a perda de mais um gigante talento da música brasileira.


Rock Laguna: edição 2019 acontecerá neste sábado (19) com grandes atrações

No ano de 2018, foi comemorado o Rock Laguna 30 anos e para a surpresa (ou não) de muitos, o evento teve continuidade. Porém, para a edição de 2019 apenas bandas nacionais presentes e com o mesmo nível se não, superior a edição passada.

Antes de mais nada, convidamos o leitor a ler a cobertura da edição passada: http://www.osubsolo.com/2018/01/cobertura-30-anos-rock-laguna-lagunasc.html feito esta viagem ao tempo, vamos as atrações deste ano.


Com exceção de "Mc Eltin", que assim como na edição passada os produtores tentam "globalizar" o evento, misturando tribos e não cabe a nós criticar (deixa isto para a cobertura), contaremos com Titãs, Capital Inicial, Dazaranha e curiosamente, Cpm 22 por mais um ano consecutivo.
Serviço:

Local: Praça Seival Laguna
Cidade: Laguna / SC
Horário de abertura: 18:00
Horário de início: 18:30
Atração principal: 20:30


2,000 vezes O SubSolo!

Para muitos, uma marca inexpressiva, para nós que estamos dia a dia lutando contra nossos horários de faculdade, trabalho e outros afazeres e mesmo assim, muitas vezes aturando a injustiça das bandas que quase sempre não compartilham o suor de uma matéria, essa é a matéria de número 2.000 e fazemos questão de não deixar passar em branco, portanto, para nós é uma marca de expressão, sim. 




E como tudo na equipe é dividido, desde tristezas à glórias e conquistas, todos os colaboradores foram convidados a falarem um pouquinho sobre essa marca e as dificuldades que nos assombram nesses últimos tempos, principalmente em 2018 que foi um ano bem conturbado para muitos de nós, principalmente para os que estudam. 

"Tudo na vida quando é 'novo' o entusiasmo é o que da gás para fazer as coisas, começamos do zero e tudo era novidade. Queríamos lançar várias postagens por dia, mas sabíamos que não tínhamos a qualidade que buscávamos. Fomos dar nossos primeiros passos rumo a algo mais profissional quando o Vinicius Saints entrou para a equipe, foi logo em seguida da criação do site, semanas depois. Assumiu o papel de redator chefe e até hoje tem a responsabilidade de administrar o site junto comigo e ficamos felizes de alcançar a marca de 2.000 postagens e não só isso, nossa página no Facebook está batendo a marca de 5.000 seguidores e fora outras coisas que já fizemos em prol da cena, temos muito orgulho da equipe que montamos também, acreditamos ser uma família. Está cada vez mais difícil manter o site, é uma correria, mas no fim sempre da tudo certo. Ficamos felizes de fazer algo pela cena, enquanto a maior parte reclama e não tira a bunda do sofá." (Maykon Kjellin)



"Olha, O SubSolo é um capítulo a parte em minha vida. Desde meu primeiro contato, ainda como músico de uma banda que foi uma das primeiras a apostar no portal, até hoje, foram tantas coisas, tantos momentos que vivi graças a esse portal e tantas matérias bacanas que foram elogiadas, que dá realmente pra escrever um livro. Cada som novo que conheci, cada músico com quem troquei ideia, cada banda que pude compartilhar com nossos leitores, cada show que fomos convidados a cobrir. Tudo isso é extremamente especial e importante. Mas além de tudo, O SubSolo foi responsável por manter minha paixão pela escrita em pé, o tempo todo. Aqui fiz meus melhores textos e li textos fantásticos também, já que tenho ao meu lado colegas de qualidade absurda, que sempre me agregam e animam muito ao escreverem aqui. Hoje, O SubSolo deixou de ser apenas um blog, já é um veículo de informação, uma fonte, um portal respeitado e conhecido por muitos em nosso país. E ter feito parte desse crescimento é uma satisfação e emoção enorme, que sequer pode ser descrito nos melhores textos." (Vinicius Albini-Saints)


"O Subsolo tenta fazer o impossível: manter a chama acesa de uma cena acabada. Eu, Marcel Caldeira, por exemplo, não sou músico. Sei nem tocar uma campainha direito. Mas sempre estive nesse mundo. E graças aO Subsolo, tive uma formação de texto melhor, conheci bandas novas e tentei fazer com que inúmeras bandas de hardcore - estilo no qual comento - tenham uma maior visibilidade. Nessas 2 mil matérias, fizemos com gosto e totalmente sem custo. Fizemos em prol do rock, punk, hardcore, glam, alternativo e todos os zilhões de gêneros. O Subsolo não é meu, não é do Maykon, não é do Vinicius ou de qualquer outro integrante. O Subsolo é do rock!" (Marcel Caldeira)




"O SubSolo é uma (pequena) grande família em prol de um só objetivo: fazer a diferença no cenário underground!

Tenho muito orgulho de fazer parte desse projeto há pouco mais de dois anos. Sabemos que discursos são fundamentais para a formação de ideias e que, infelizmente, nos tempos atuais, muitos perderam a capacidade de resenhar materiais, fazer entrevistas e produzir conteúdos de qualidade; a criação de novos discursos sobre a cena underground resta prejudicada. Então, para nós, na condição de 'amantes do som', é quase que um dever Legal mantermos isso; apesar das dificuldades, apesar dos surtos psicóticos que tomam conta da redação de vez em sempre (haha), apesar dos nossos afazeres em paralelo, procuramos dar o nosso melhor dentro do nosso possível." (Thabata Solazzo)



"Ser d'O Subsolo é um petardo Rock N' Roll independente familiar. É você fazer com amor parte de uma redação aonde a galera é família e gostam de desenvolver ideias. Fazer parte de uma mídia independente que tem material físico de sua coletânea e os melhores do ano é correria, responsabilidade pura e ir muito além do que é a música, pois deixamos muitas vezes de ter outro tipo de lazer para desenvolver matéria, escutar o artista e até mesmo marcar presença em eventos. Agradeço demais a equipe e ás bandas que com carinho tem respeito por nós e muitas prezam nosso trabalho. Subsolo é independente, gratuito aqueles que nos valorizam com apenas um compartilhamento e responsável por cada letra digitada. Aqui não temos tempo para desvalorizar a cena." (Wendell Pivetta)


"Redigir material para a família O Subsolo é valorizar o meu trabalho como músico e fazer com que as pessoas enxerguem melhor a união do underground. Me sinto incorporado e ajudando esta cena.  Cada pessoa que acessa o Subsolo sabe que o que é feito ali é de coração, forte e importante. Todos os detalhes são pensados para  fazer com que músicos, entusiastas, ouvintes, fãs, ídolos e qualquer que seja a sua posição nesse espaço maluco seja devidamente reconhecido com a sua importância e espaço." (André Bortolai)





"Antes de tudo, gostaria de agradecer imensamente ao Maykon Kjellin por ter me acolhido a família O Subsolo no ano passado e por ter acreditado em meu trabalho. O último ano foi difícil por motivos pessoais, profissionais e acadêmicos, pensei em deixar o barco algumas vezes, mas graças a compreensão da equipe, o amor por música e o carinho pelo trabalho que estamos desenvolvendo, foi possível continuar; e hoje é uma honra imensa dizer que chegamos a 2.000 publicações no site. Obrigado a todos pelo suporte, confiança e dedicação!" (Caio Botrel)



"Bom, provavelmente eu fui um dos últimos a entrar para equipe e minha entrada parece com a história do Tim Ripper Owens no Judas Priest, pois acompanhava o trabalho d'O SubSolo e sempre fui muito fã. Claro, que motivado pelo gosto pessoal sempre fui muito fã de Metal Extremo e por isso mesmo eram essas as postagens que mais me chamavam a  atenção e de tanto perturbar o Maykon para deixar eu escrever acabei entrando para a equipe e me encarrego de sempre levar um pouco mais de 'podreira' para O Subsolo. 

A organização e forma de trabalho d'O Subsolo sempre me chamou a atenção e serviu de inspiração para o Underground Extremo, se hoje o U.E é uma mídia mais organizada e funcional muito se deve a tentativa de emular o fantástico trabalho d'O Subsolo. Me sinto muito honrado e feliz de fazer parte da equipe da maior mídia underground do país, e tenho certeza que as conquistas só estão começando" (Luiz Harley Caires)



"Ter um espaço como o Quadro Negro para escrever sobre HC e Punk Rock é vital e graças a equipe do site, novamente retomei esse hábito que tanto me motiva a seguir em frente no meio underground. Por vezes pensei em não contribuir mais para sites especializados por achar que as pessoas não liam mais essas coisas, mas O Subsolo veio para provar que sim, ainda somos uma geração de leitores.

Dois mil posts refletem a dedicação de toda a equipe em fazer de O Subsolo um espaço de música, informação e entretenimento com seriedade e profissionalismo. Ser parte desta equipe é um prazer. Parabéns a todos nós pela conquista e que venham mais!" (Thabata Vieira)


--------

E que sobre tudo isso, consigamos chegar a um número expressivo novamente e SEMPRE com matérias de qualidade. Que consigamos sempre auxiliar as bandas e que as mesmas sempre retribuam da melhor forma possível, que a família que chamamos de equipe cada vez esteja mais intacta e pronta para novos desafios.

www.osubsolo.com
contato@osubsolo.com

Mensageiro do Prazer: nova formação é anunciada


A banda de Rock And Roll e Hard Rock de Porto Alegre (RS), Mensageiro de Prazer, anunciou através de suas redes sociais, a sua nova formação. O grupo que conta com os irmãos, Vagner Bueno (vocalista, guitarrista e membro fundador) e Rick Sanjames (baterista), passa a contar com Mateus Insano (baixista e backing vocal).

O grupo que já possui um EP lançado (Estrada – 2005), agora, volta a focar nos ensaios para o retorno aos palcos. Além das músicas que compõe o EP, a banda também apresentará novas canções autorais e algumas versões que ainda preferem manter em segredo.

Mateus, que também é vocalista e baixista da banda Pétalas Insanas, comenta a sua entrada na banda: “Eu sou fã da Mensageiro há tempos e já até havia recebido outros convites para me juntar ao grupo, mas a falta de tempo sempre foi um empecilho. Agora, que acabaram as aulas da faculdade e a Pétalas Insanas segue em hiato, finalmente conseguimos conciliar nossas agendas. Além disso, não ser o vocalista principal me dá oportunidade de me concentrar mais no baixo, curtir os shows e ficar mais livre no palco” - ressalta Mateus.

Após o retorno aos palcos, o grupo pretende entrar em estúdio para a gravação de um novo material. Ainda sem formato decidido, o sucessor do EP “Estrada” pode ser um álbum completo, já que a banda trabalha em mais de dez novas canções. Além de planejar a gravação do primeiro videoclipe oficial.


Fonte: Insanity Records

Wolf Among Us: Duo se prepara para lançar EP



Formado em 2017 no interior de São Paulo, o duo de Stoner Rock, Wolf Among Us, nasceu na vontade de criar algo verdadeiro e expressivo. A formação atual conta com Robin Wolf (Baixo e vocais) e Alexandre Cruz (Bateria).

Riffs marcantes somados a uma nova sonoridade utilizando-se de três amplificadores (dois de guitarra e um de baixo), ampliando a massa sonora, trás a sinergia e “identidade natural” buscada. As influencias do stoner, do heavy metal e do grunge contrastam com elementos modernos em uma experiencia stereo única e difícil de se encontrar em um duo.

Atualmente a banda se prepara para lançar seu primeiro EP intitulado “Soul Shard”, que irá abordar uma ambientação futurística mesclada a temas atuais. O EP é uma analogia entre conflitos existenciais a distúrbios psíquicos, aonde um ego personificado a varias personalidades ambíguas faz uma afronta entre a moral e instinto. “Who are you?” foi o single de estreia, produzida por Iuri Griga, lançada em Outubro, garantindo um significativo destaque na cena local.


Toda banda tem sua influência. Vocês se inspiram em alguma banda?

Robin: Podemos dizer que em muitas, somos praticamente um caldeirão de influencias. Eu e o Ale temos um gosto semelhante e acabamos dividindo algumas influencias como Led Zeppelin, Black Sabbath, Alice in Chains, Mastodon, Royal Blood, ReignWolf, Gojira, Metallica, e é isto que consigo me recordar no momento. Mas isto é só a base da pirâmide, têm muitas bandas novas que estão entrando nesta lista de influencias. 

De ondem vêm esse nome "Wolf Among Us"?   O que levou a banda a esse nome?

Robin: Wolf Among Us sempre esteve na minha cabeça como um possível nome de banda. Quando decidi montar o Duo foi a primeira e única opção. Digamos que tem muitos porquês deste nome, mas o motivo principal é que o lobo, para nós, é aquele que não foi domado e nunca pertenceu a nenhum grupo, e por mais que seja “caçado”, ainda esta entre nos, resistindo. Isto fala muito sobre eu e o Ale, vivemos o dia a dia em um meio totalmente diferente do que somos, e quando estamos tocando liberamos todos os demônios ocultos, liberamos os lobos.  

O que podemos esperar desse primeiro EP?

Robin: O EP ira se chamar Soul Shard, nele teremos 6 musicas que representam as primeiras composições da banda. As musicas estão pesadas, regadas de riffs marcantes que grudam na cabeça. Procuramos trabalhar com a dinâmica das musicas, que variam em momentos agressivos e calmarias. Por mas que as musicas não sigam um contesto geral e abordem temas distintos, ainda sim há um tema central, que basicamente traz os sentimentos ocultos tomando forma e entrando em conflito com a própria existência. Soul Shard é uma espécie de mito de Narciso moderno, um monologo entre nosso interior com o exterior, entre o ser e o existir, entre o real e o digital. 

De onde vêm as ideias para as composições? Existe alguma composição que é mais especial para vocês?  

Robin: Bem, geralmente as nossas composições são bem particulares e falam muito sobre o que vivemos, porem não de forma direta. Costumo criar em cima das experiências vividas, e muitas vezes utilizo filmes e jogos como influencia. Soul Shard mesmo, é uma espécie de “autobiografia fictícia” criada para minha segunda personalidade. Eu chamo esta segunda personalidade de Eros, homônimo de uma das musicas do EP. Não sei dizer se é a mais especial, mas “EROS”  sem duvida nenhuma é uma musica diferente, ela trouxe toda a questão da dualidade existente dentro de mim. Quando a escrevi procurei estar “fora da realidade” para dar ainda mais vida ao Eros. 

Como anda a agenda de shows e a divulgação do trabalho? 

Robin: Estamos começando a colocar lenha na fogueira. Quisemos focar mais nas produções, mas agora fechamos uma parceria com a agencia Collapse para fazer o negocio da forma mais profissional possível. Mesmo não focando em apresentações ao vivo, ano passado fizemos algumas apresentações importantes, uma delas ao lado dos holandeses da Komatsu. Agora que estamos com nosso EP praticamente pronto, pretendemos nos apresentar mais vezes ao vivo e até mesmo estamos pensando em uma turnê. 

O que esperam para 2019? 

Estamos muito ansiosos, vai ter EP no começo do ano, novas apresentações e provavelmente começaremos a produção do nosso álbum conceitual. 2019 é o ano do Lobo. 

Fonte: Collapse Agency

Cherry Ramona: confira o primeiro clipe "Verão do Sul"

Segunda feira no dia 07/01 a banda Cherry Ramona conduziu um evento fechado para o lançamento de seu primeiro clipe, da música “Verão do sul” faixa de seu primeiro álbum, “Soco na Bixiga” lançado a 3 anos. O evento aconteceu no Estúdio Tanuki, um espaço multicultural conhecido em Criciúma e nós d'O Subsolo tivemos o prazer de participar.



O evento foi entre amigos e muito animado, ressaltando o alto astral da banda, com salgadinhos, brinde de espumante, bastante conversa, e um “easter egg” peculiar do clipe: Uma rodada de velho barreiro. Quem conduziu o evento foi o próprio Naldo Arraes, vocalista fundador da banda, conhecido por trazer muita energia aos eventos da região.

Mas o clipe em si foi o destaque do evento, uma mídia muito pouco procurada pelas bandas atualmente, por seu alto investimento financeiro e de tempo, mas quando bem feito vale muito à pena, o que foi exatamente esse caso. Em primeiro lugar gostaria de chamar atenção à preocupação com a acessibilidade ao público mais excluído do acesso à música: os deficientes auditivos. O clipe é inteiro acompanhado por legendas e interpretação em libras, que incorpora o ritmo da música na interpretação, o que de fato pegou totalmente todos presentes de surpresa e foi uma mensagem extremamente importante para futuras produções. A segunda coisa que mais chamou a atenção foi a qualidade de produção, a Genuíno Films conseguiu expressar muito bem a banda com cenas dinâmicas e filmagem impecável, dentro e fora de estúdio. O enredo do clipe é simples mas eficiente, captura muito bem a essência da banda e da música, bastante animado e descontraído, remetendo bastante à região para quem conhece e aqui vive.



Em conclusão, um trabalho muito bem feito, um passo que muitas bandas teriam muita vantagem em seguir, pois apesar de ser mais um investimento, acaba trazendo uma destaque para a banda e mais uma oportunidade de se expressar.

Conheça: Black Bell Tone (Porto Alegre/RS)

Formada no início de 2017, a Black Bell Tone é formada por Taba Kunz nos vocais e guitarra, Nando Pontin na guitarra, Lucas Pontin no baixo e Fernando Paulista na bateria, todos os integrantes passaram por outros projetos em suas trajetórias musicais, bandas como Dissométrica, Wannabe Jalva e Sandálias. Tanto que o acumulo dessas experiências, são depositadas em uma sonoridade coesa, intensa e pretensiosa, agora na Black Bell Tone.


O intuito deste supergrupo foi trabalhar em suas composições autorais e apresentá-las o mais brevemente possível ao público, entretanto, sem ter como prever a duração do processo das composições e mais as gravações, os integrantes temendo ficar presos no estúdio sem interação do público, resolveram soltar algumas músicas tocando ao vivo, os famosos "live session". 

Portanto, toda a rotina da banda vem sendo gravado, registrado e veiculado de maneira a aproximar o publico do que acontece durante o nascimento de uma banda e claro, mostrar como é o processo de gravação de um disco ao público. Atualmente a banda gaúcha trabalha para finalizar o seu disco de estreia e aos poucos lança alguns singles para atualizar e captar novos fãs e admiradores para a banda. 

SIGA BLACK BELL TONE
SITE OFICIAL / FACEBOOK / INSTAGRAM



Matanza-INC.: A volta do Matanza, com novo nome e novo vocalista

Se os fãs de Matanza ficaram tristes que em 2018 a banda anunciou o seu fim, o ano de 2019 já começa com uma notícia que muda muito o rumo praticamente fadado da banda. Como já havia sido especulado nos bastidores do cenário do Rock Nacional, o problema do Matanza era uma divisão incorrigível entre Jimmy London e seus companheiros de banda. Para reforçar essa teoria, Dony Escobar, Jonas Cáffaro, Marco Donida e Maurício Nogueira anunciaram que o legado do Matanza não termina aqui. Através do Instagram da nova banda, nasceu a Matanza-INC.


A line-up da nova banda é composta pelos ex-membros e o vocalista Vital Cavalcante, conhecido de longa data de Donida e figura do underground. Na postagem, fica claro que Cavalcante é a figura que buscavam para esta nova fase da banda.

O novo nome da banda é uma referência ao Venom Inc., banda paralela ao Venom que surgiu com a mesma finalidade do Matanza-INC: ex-membros que querem continuar tocando as músicas que compuseram em outrora.

Ainda na postagem, o grupo anuncia que o material novo está pronto e vai sim seguir os passos do Matanza. No entanto, não há data ou prazo, pois o Matanza-INC diz não estar com pressa e espera que as coisas sejam devidamente lapidadas.

Galantis: apresentação única no Rio acontece nesta sexta

Na próxima sexta, 11/01, o Duo de música eletrônica, o Galantis, chega ao Rio de Janeiro para apresentação única no The Epic Summer, no Maracanazinho. A festa tem início às 23h e só termina às 7h da manhã.


Quem é fã do Galantis, dono de hits com mais de 500 milhões de visualizações no youtube como Runaway e No Money, não precisará ir até Ibiza ou qualquer outro local da Europa para curtir o supershow. Serão vendidos dois tipos de ingressos, Pista Premium Open Bar e pista comum. Para quem adquirir o convite premium terá acesso a todas as áreas. Para os que optarem pela compra da pista normal não deixarão de ter uma visão privilegiada, já que terá acesso a arquibancada também.

O público curtirá mais de 10 horas de festa, a poucos metros do palco. A estrutura será 100% interativa de LED, assinado pelo Muti Randolph, com uma line up de peso, que vai além do grupo internacional, os DJs Milena Scheide, Just Mike, lucce, Manimal, Make your Swet, John fAILY & marie Bouret e Reezer comandarão o restante da noite, até o dia amanhecer. 

''Foram 4 anos tentando trazer um dos melhores lives do mundo, e finalmente conseguimos. Nós vamos realizar uma festa perfeita para o público, proporcionando experiencias inesquecíveis através de serviços e estrutura. Nosso show de luzes será fantástico e foi assinado pelo fera Muti Randolph, responsável também pelo projeto da D-EDGE. As pessoas vão dançar com os olhos'', brinca o sócio-fundador da Party Industry André Barros. 

Serviço:
Local: Maracanãzinho
Data: 11/01/2019 - Sexta-feira
Horário: das 23h às 7h

Valores pistas Premium OpenBar: 
Feminino Lote 03 : R$ 190  (Sujeito à mudança de valor sem aviso prévio)  | Masculino Lote 03 : R$ 260  (Sujeito à mudança de valor sem aviso prévio);

Valores Pista comum:
Feminino Lote Único: R$ 80 (Sujeito à mudança de valor sem aviso prévio)  | Masculino Lote Único: R$ 120  (Sujeito à mudança de valor sem aviso prévio) 


Fonte: Hochmuller Comunicação

Topfive: cinco bandas para ouvir neste final de semana #110

Resolvi criar um topfive baseado em bandas que conheci na correria da listas de melhores do ano, tanto aqui n'O SubSolo, quanto no Underground Extremo no qual sou colaborador. Difícil não deixar claro, o quanto me espanta quantos lançamentos bons e incríveis tivemos nesse ano de 2018, claro que tivemos lançamentos medianos e alguns bem abaixo da média, mas vou trazer cinco que me chamaram a atenção e explicar o motivo.




Confira as cinco indicações:

01) Arconde - Pop Rock - Lages/SC

O Arconde foi um dos projetos que mais encheu meus ouvidos (para não dizer olhos, pois não vi pessoalmente) e quando ouvi pela primeira vez, veio um sentimento de "os caras mandam ver". Depois tomei um banho de água fria ao descobrir que todo o projeto é na verdade uma "one man band", não necessariamente isso, mas o disco foi gravado inteiro todos os instrumentos por um único músico e o nome do cara é: João César Matias.



02) Cardiac - Metal Alternativo - Campinas/SP

Os caras são oriundos de Campinas/SP e fazem um som bem autêntico com bons fraseados e um instrumental pesado com técnicas abundantes. Não só receberam o prêmio de melhor disco de Metal Alternativo, como também reconheceram e tiveram a humildade de enviar uma mensagem a'O SubSolo agradecendo, não que precise, mas isso demonstra caráter de uma banda que faz jus as suas letras abordadas no excelente disco "Equilíbrio". De todas as bandas indicadas e as que venceram, foi uma das que mais ganhou o meu respeito, ouça o disco:



03) Koppa - Pop Rock - Brasília/DF

Conheci o Koppa pela sua assessoria, "Build Up Media". Porém, na época foi por causa do Webclipe "Medos" e posteriormente fui informado sobre o lançamento do disco dos candangos, intitulado "Transparecer". Os vocais de João Quirino realmente "transparece" a calmaria do bom e velho Pop Rock, que a cada ano que passa começa a surgir novos nomes capazes de alavancar essa vertente ao topo. 



04) Hellway Patrol - Metal - Londrina/PR

Um power trio paranaense de qualidade ímpar. Entre os cinco melhores EP's de Heavy Metal com o excelente "Desert Ghost", que conta com participação de May "Undead" Puertas do Torture Squad na faixa "Satan Free Me". A banda pode ter pouco tempo de estra com essa nomenclatura, formada apenas em 2017, porém os músicos carregam uma bagagem de experiência de outras bandas e tudo isso é agregado nesse projeto. Ouça o EP "Desert Ghost":




05) Os Capial - Grind/Death Metal - Araraquara/SP

Ajudando nas listas do Underground Extremo, teve uma banda entre a listagem de Grindcore que me chamou a atenção, primeiramente pela capa, pela "sutileza" se falando de Grindcore. Formada em 2014, a banda tem esse nome em homenagem ao trabalhador bração do campo, porque o trabalho musical é igualmente pesado como um serviço bração, pois moram no interior paulista, que originalmente agrário e a banda resolveu prestar essa singela homenagem as suas origens caipira. Temáticas, vestimentas, letras e falas, são todas voltadas ao mundo caipiresco, e isso que torna essa banda única e simplesmente sensacional.






Lasting Maze: assista agora o excelente videoclipe de "Greatest Sin"

Lasting Maze lançou recentemente seu novo single "Greatest Sin" e para nossa surpresa, o mesmo foi lançado em forma de videoclipe.



Influenciados por Lacuna Coil, Evanescence, Halestorm, KoRn, Disturbed e tantas outras excelentes bandas do Metal Alternativo & Melódico. O single marca uma nova formação da banda mossoroense, que lançou esse seu primeiro videoclipe no final de 2018 demonstrando que preparam o campo para tornar 2019 um ano inesquecível para sua carreira musical. 

Já o single, fala sobre sair de um relacionamento abusivo, mas não como vítima ou problemas que tanto vemos por aí e sim, com coragem de seguir em frente e o melhor, sem medo. A mensagem que a música passa, é que embora todos os caminhos te levem de volta a aquela pessoa, você se torna forte o suficiente para dar um basta nessa situação. 

Ficou curioso? Ouça a música e assista o videoclipe de "Greatest Sin":



Cobertura: 115 Rosas Barbadas (Caverna Kilmister)

No dia primeiro de Dezembro se uniram duas bandas do cenário sul catarinense com uma banda rio grandense e a única coisa em comum, era a amizade, sonoridade completamente diferente. De covers foram de CPM 22 até Nirvana, de autoral foi de Punk até Psicodelia total e com isso o público foi de calmo a confuso, de confuso a eufórico de sonolento a contagiante e no fim, um gostinho de quero mais.



A primeira banda a subir no palco, foi a novata P-115.



Oriunda de Tubarão/SC, cidade conterrânea do Caverna Kilmister, a gurizada da P-115 estava esgotada por conta da faculdade e toda a pressão que os estudos + trabalho vem causando a quem está na idade dessa rapaziada e estar nos palcos é o refúgio para todos os problemas e pressão desta fase da vida. Não faço ideia se foi a resenha do último show dos caras ou a conversa que tiveram com o proprietário do Drakos, mas a apresentação da banda teve uma evolução gigantesca de apenas algumas semanas de diferença e mostrou uma banda bem mais focada e preparada do que anteriormente resenhada aqui. 

Mas ainda acho que os covers apresentados são bem chatos e não empolgam a sua apresentação como suas autorais, que são bem bacanas e contagiantes e isso precisa se revisto imediatamente. Música boa é a que te joga para cima e não a que desanima na frente de um palco, concordo que é questão de gosto, mas tem que procurar fazer releituras de banda que se encaixam melhor com as autorais, ai vai uma dica: Bad Religion e Pennywise, essas são as bandas que combinam com vocês.



Logo após foi a primeira vez que vi nos palcos a banda Rosa de Vênus. Pela forma que trataram a equipe d'O SubSolo dentro do Caverna, até achei que eram banda mainstream, mas ok. Cada ação, gera uma reação. No palco os caras são um vulcão em erupção e quando eu acreditava que não conseguiriam fazer o público pegar mais fogo do que já estavam, me jogam um cover de Nirvana que ninguém esperava, dito e feito, primeiro mosh da noite estava formado.

A apresentação teve seu auge com suas músicas autorais, são bem melhor executadas (toda banda executa as autorais melhor, eu sei). Mas há algo de especial no Rosa de Vênus e eu não sei explicar, há um toque especial nas composições que consequentemente faz com que o público cante junto a partir do segundo refrão e esse é o encanto de quem compõe em Português, não desmerecendo outros idiomas. Quem não conhece, indico a parar tudo o que esta fazendo e ouvir a banda agora mesmo.



Para fechar a noite o Barba Rala, muito ouvi falar da banda e até agora não sei como definir, rotular ou falar dos caras, é sinistro o que fazem no palco. Talvez um pouco exagerado a força que usam nos instrumentos, mas isso vai de cada um. 

Consigo definir que a banda é muito bem entrosada, não tem aquelas pausas irritante (até minha banda tem essa pausa chata) e a banda é muito bem ensaiada. Ninguém acelera e ninguém se perde, é tudo no seu tempo certo e tem contratempos ensaiados que ficam perfeitos no palco tocando ao vivo, o que de fato deve ser muitíssimo bem ensaiado e não é atoa que é uma das bandas que mais cresce no estado de Santa Catarina nos últimos anos. Destaco muito o feeling depositado pelo quarteto e a forma que se entregam a música, pela humildade e o caráter como pessoas. Foi uma excelente apresentação e este que aqui escreve admite, foi uma ótima primeira impressão.


Postagens mais antigas → Página inicial