Topfive: cinco bandas para ouvir neste final de semana #98

Neste sábado com gosto de feriadão, para proporcionar um clima relax, O Subsolo traz cinco bandas de doom metal para apreciação de você, caro leitor!

O subsolo - TopFive #98

1) Agony Voices - Blumenau/SC
Ativa na cena desde 2007, aborda temas de suicídio, morte e o que a humanidade proporciona a si mesma. Lançado recentemente (08/2018), o clipe de Disire For Pain faz um breve resumo do que contam as suas canções. Após seu último full-lenght Mankinds Glory, a banda anunciou em shows recentes, algumas de suas novas músicas para 2019.

2) Dying Suffocation - Pato Branco/PR
Formada em 2014, teve sua primeira demo homônima lançada em 2015, e logo em seguida o EP When I Die. Com o single Suffocated e o primeiro full-lenght In the Darkness of the Lost Forest lançados em 2017, a banda mostra que está proveitosa a colheita dos frutos de dedicação, perceptíveis nas composições cuja temática aborda os anseios do ser, e a busca pelo encontro de si. Sonoridade com aquela distorção afinada lá em baixo nos proporcionam canções, e nos sugere que a cada 2 anos, sai bastante coisa nova do estúdio. Fica a expectativa para o ano que vem!

3) Pain of Soul - Blumenau/SC
Uma das bandas mais icônicas da região em Santa Catarina, ativa desde o primeiro ano deste século, Pain of Soul possui um repertório com digno de se apreciar ao lado de uma garrafa de um bom vinho tinto seco. Também tendo anunciado em shows recentes, após uma pausa estratégica na carreira, Pain of Soul está retomando as atividades, com uma repaginada em suas criações.

4) Tropical Doom - Curitiba/PR
É doom ou não é...? A legião de seguidores tanto do gênero quanto da banda divide opiniões quando o assunto é o estilo desta banda. De fato, nem toda banda ortodoxalmente seguirá apenas uma vertente, sem demonstrar influências externas, mas sugestivamente ao seu nome, Tropical Doom tem um som que mescla as características tradicionais do doom metal, a uma levada stoner bastante característica e um quê de groove com uma pitada de psicodelia. Mas pode isso? Se pode, não sei. Mas pouco importa, pois o som produzido por eles é muito bem trabalhado, com aquele baixo marcante, e passeios entre riffs de guitarra interlúdios, lembrando muito os mestres na arte, Candlemass e Black Sabbat, como podemos conferir no single Cavedigger lançado em 2017.


5) Volkmort - Timbó/SC
Clima pesado, denso e arrastado montam a sonoridade de Volkmort que traz desde 2011 a mais pura essência do doom metal desgraçado e sanguinário. Segundo publicações na página oficial do facebook, para as próximas luas também podemos contar com o lançamento de novas faixas.

NervoChaos: novo álbum já tem título!


Cada vez mais próximo o lançamento do novo álbum, o NERVOCHAOS anuncia seu título: ‘Ablaze’, oitavo álbum de estúdio, mais uma vez gravado na Itália, no Alpha Omega Studios, ao lado do produtor Alex Azzali.
Nervo Chaos - Ablade


O novo álbum é esperado ainda para 2018 e mais uma vez será lançado em parceria com as gravadoras Cogumelo Records e Voice Music no Brasil. Em breve mais detalhes sobre ‘Ablaze’ serão divulgados.

O NERVOCHAOS também está de volta aos palcos seguindo a Nyctophilia Tour 2018, agora pela América Latina, e no momento divide os palcos de nossos vizinhos em shows com o Enthroned e Purgatory. A tour passa por países como Paraguai, Uruguai, Chile, Argentina, Bolívia, Equador, El Salvador, Guatemala, Panamá, Peru e Colômbia. Depois o Tanque de Guerra volta para mais shows no Brasil.

Links relacionados:

Fonte: Metal Media

Inraza: primeiro single, ‘Ruined Befor Creation’, também disponível via streaming


Além do incrível clipe, o primeiro single do INRAZA, ‘Ruined Before Creation’, também está disponível nos principais sites e aplicativos de streaming e download do mundo.
Inraza


Nomes como Spotify e itunes se juntam a outras inúmeras opções, confira alguns links:




Iranza - Ruined Before Creation


Claro que o clipe continua disponível e pode ser conferido pelo link:


https://youtu.be/5KWMKkv2aXI


O clipe foi produzido pela Media Recspect, dirigido por Arnaldo de Souza, editado por Caca Roque, fotografia por Jota Jota Rugal, iluminação por Felipe Dionisio e maquiagem por Di Souza. Já música foi registrada no Flight Studio com produção de Rogério Oliveira. O single é uma amostra do que o INRAZA está preparando para seu primeiro trabalho oficial, o EP ‘Sociexit’, previsto ainda para esse ano.



Links Relacionados:



Fonte: Metal Media

Deep Memories: primeiras impressões do álbum são extremamente positivas




Já com o seu primeiro álbum, ‘Rebuilding The Future’, lançado, o DEEP MEMORIES começa agora a recolher os frutos de todo seu esforço e dedicação.
Deep Memories - Rebuilding the Furure

A reação tanto dos fãs de música pesada quanto da crítica tem sido extremamente positiva e a mistura única proposta por Douglas Martins e o DEEP MEMORIES tem sido abraçada de forma completa!

Algumas resenhas já estão sendo publicadas e a primeira reação foi que o DEEP MEMORIES é “uma banda que será, com este lançamento, um referencial do estilo com toda certeza,” conforme dito em resenha no site da tradicional Roadie Crew.

Outro site nacional a aprovar o material foi o renomado Metal na Lata que declarou: “Em seu álbum de estreia, o Deep Memories mostra um som fresco e pouco explorado no Brasil, e melhor ainda: faz isso com primazia e sem medo de destoar do que vem sendo tocado por essas terras ultimamente. Algo que eu considero totalmente saudável, afinal de contas mostra novos horizontes para o que estão aqui e o que estão por vir. Para você que acha o Doom Metal um terreno inóspito, abra a sua cabeça e curta esse ótimo lançamento da música pesada brasileira.”

Mas essa positividade não se resume ao Brasil o site norte-americano Doomed To Darkness também celebrou a mistura única: “Em minha opinião o som do Deep Memories é uma ótima mistura melódica e progressiva de Goth, Doom e Death Metal, e se você é fã desses gêneros, você deve conferir esse projeto.”

Outro site internacional a se impressionar com o material é o tradicionalíssimo Metal Temple que foi direto ao ponto: “Eu conjuro que o DEEP MEMORIES é uma prova sólida, e possivelmente não é um exemplo frequente, de que há um substancial arsenal de metal sendo forjado no underground que poderia passar por cima dos grandes famosos. Certifique-se de conferir ‘Rebuilding The Future’.”

‘Rebuilding The Future’ está à venda em formato físico, interessados podem entrar em contato diretamente com o DEEP MEMORIES através de suas redes sociais ou por e-mail. O disco também está disponível com os selos Heavy Metal Rock e Misanthropic e nas melhores lojas especializadas.

Agora, além do formato físico, ‘Rebuilding The Future’ está também disponível em formato digital.


Um lyric video para a faixa de abertura do álbum, ‘When the Time for My Last Breath Comes’, foi disponibilizado, assista:


Links Relacionados:

Fonte: Metal Media

Hellway Patrol: vem aí a Hellway Fest II com Torture Squad e grande lineup


O HELLWAY PATROL, que segue promovendo o EP ‘Desert Ghost’, anuncia mais um grande evento: o HELLWAY FEST II. 
Hellway Fest II

A segunda edição do festival traz novamente um lineup de peso. Além dos anfitriões do HELLWAY PATROL e das pratas da casa Terrorsphere, Hellpath e Asco, teremos como headliner ninguém menos que o Torture Squad.


Mais informações sobre o evento: https://www.facebook.com/events/233791617317268/

O EP ‘Desert Ghost’, além da versão em vinil 7”, conta com uma versão digital estendida, disponível nas principais plataformas de música digital do mundo. Para ouvir ou baixar, basta buscar em seu aplicativo de preferência ou seguir um dos links abaixo:


Quem preferir o material físico, o vinil de ‘Desert Ghost’ e outros materiais do HELLWAY PATROL, basta entrar em contato com a banda por e-mail ou Facebook. Envio para todo o Brasil.

‘Desert Ghost’ foi gravado nos estúdios High Voltage e Wah Wah, com mixagem e produção de Michel Kuaker e masterização pela Absolute Master. A capa foi criada pelo norte-americano David Paul Seymour (Slayer, Anthrax, Opeth, Mastodon, Pentagram).

Links relacionados:

Fonte: Metal Media

Kike Oliveira: "Linda Flor" recebe uma versão de um fã da Bahia

Enquanto "Linda Flor" não parece ter limites e já ultrapassa a casa das 90 mil visualizações no YouTube oficial do Midas Studios, agora foi a surpresa de Kike Oliveira receber um cover da sua música do admirador do artista, Sonni Mendes de Ilhéus/BA.



No canal oficial de Sonni Mendes, é possível encontrar versões de músicas de John Mayer, Justin Timberlake, Tiago Iorc, Braza e suas músicas autorais, além de agora, sua versão de "Linda Flor", que você pode assistir na íntegra:


Kike Oliveira comenta sobre essa surpresa: "Fiquei feliz e surpreso, alguém fazendo uma versão de uma música minha, realmente "Linda Flor" vem surpreendendo a cada dia que passa, não só pelo retorno que ela dá e sim, pelo fato de como ela consegue conquistar as pessoas".

Mesmo com a divulgação do novo EP a todo vapor, Kike busca trabalhar cada vez mais na construção da sua agenda: "Não é uma tarefa fácil, as vezes ter que focar em muitas coisas ao mesmo tempo, mas no fim sabemos que nada vem de graça e é uma hora importante e que requer bastante foco e dedicação, a música faz parte da minha vida".

O EP também homônimo de Kike Oliveira, pode ser ouvido nas melhores redes de streaming, ouça agora mesmo pelos links:

Deep Memories: primeiro lyric video retirado de ‘Rebuilding The Future’ é lançado


Já está disponível o primeiro lyric video retirado do aguardado debut do projeto DEEP MEMORIES, ‘Rebuilding The Future’.

Deep Memories



A música escolhida é a a faixa que abre o disco, ‘When the Time for My Last Breath Comes’. A edição do vídeo ficou por conta de Gustavo Razia, confira:


‘Rebuilding The Future’ será lançado no dia 21 de setembro, simultâneamente no Brasil, Japão e Rússia pelos selos Heavy Metal Rock e Misanthropic Records (Bra), Invasion of Solitude Records (Jap) e GS Productions (Rus), respectivamente.

Quem quiser estar entre os primeiros a receber o disco, a pré-venda do álbum ainda está disponível no site oficial do DEEP MEMORIES:


Surgido em 2016 o DEEP MEMORIES apresenta, em termos musicais, cadência, peso e nuances diferenciadas, mesclando melodia e agressividade com belos duetos de guitarras, uma atmosfera que remete a grandes ícones do metal mundial deste o Death, Doom, Gothic e Prog com e vocais variados desde narrações, partes cantadas, corais e o mais pungente vocal rasgado e gutural.
Deep Memories - Rebuilding the Future

A temática das letras gira em torno do próprio nome “Lembranças Profundas – Deep Memories”. Quando lemos estas palavras, somos imediatamente remetidos a memórias de momentos muito significativos de nossa existência como doenças e mortes, decepções, obsessões, momentos de pânico e depressão e se falarmos em psiquismo, temos registros totalmente inacessíveis em nossas memórias, que armazenam lapsos poucos explorados pela raça humana. Esta é a temática lírica da Deep Memories: Expor o que estas lembranças produziram, produzem e ainda poderão influenciar na direção do caráter intelectual, social e espiritual da raça humana.

Links Relacionados:

Fonte: Metal Media

A Hora Hard junto do Ateliê Calle 7, apresentam Grogue e John Kennedy neste sábado (13) em Araranguá/SC

A Hora Hard & Ateliê Calle 7 convidam para Banda GROGUE + John Kennedy!




A Banda Grogue do RS está em turnê e vem se apresentar pela primeira vez em Araranguá aterrizando no Ateliê Calle7 no sábado dia 13 de outubro pra junto da banda araranguaense John Kennedy Band realizarem uma tarde de muito rock psicodélico punk jeca country.

Conheça as bandas:

Grogue / RS

John Kennedy / SC



Serviço:
Data: 13 de outubro 
Horário: 15hrs
Local: Ateliê Calle7

Entrada: R$10,00

+ Quitanda 
+ Expo de Arte

Cobertura: United Forces Fest (Criciúma/SC)

No sábado dia 15/09 ocorreu a primeira edição do United forces fest, o nome é bastante pretensioso, mas o festival tem um propósito bastante diferenciado em relação ao típico discurso de "União da cena".



A principal ideia do projeto é o intercâmbio entre as bandas através da união, inclusive o intercâmbio do próprio festival. A ideia começa com o convite de bandas de outras cidades e que não vem à região a tempo, trazendo novos ares e evitando as infames "panelinhas". A continuação disso é que as bandas convidadas organizem um "United forces" na própria cidade, podendo convidar a banda organizadora, mas mantendo o ideal de intercâmbio.

Começando o cast dessa edição de estréia vem um verdadeiro exército de um homem só. Após a partida dos outros integrantes, Luis Tomasini, guitarrista e fundador da Infected Sphere, seguiu com a turnê com toda garra necessária mesmo após a partida do resto da banda, com um som extremamente extremo e técnico, a Infected Sphere trouxe o espírito mais primal do Death metal ao palco, demonstrando toda brutalidade filosófica que as letras expressam.



Em seguida veio a banda Plunder, bastante conhecida no cenário underground catarinense e com motivo, a banda tem um diferencial interessante mesmo executando um estilo clássico. A banda apresenta o clássico Heavy Metal no seus próprios termos, tocando inclusive músicas que pareceriam alheias ao contexto se não fossem vistas funcionando ao vivo, o grupo se destaca também por seus temas que envolvem personagens e acontecimentos históricos, que estão presentes em toda simbologia da banda.


A Silent Empire, organizadora dessa versão, foi a próxima banda, trazendo músicas novas e reforçando o lançamento do álbum "Dethronement of all icons", com um setlist frenético e bastante energia no palco, a banda conseguiu mostrar tudo o que está valorizando nessa nova fase, que mesmo após o lançamento do disco ainda traz novidades e dinamiza a trajetória da banda.


A banda Viletale já impressiona com o seu visual macabro, a atitude de palco combinada com a caracterização realmente amplificam o tom sombrio e intimidador que acompanham as músicas, que tem tema de horror contemporâneo, se você escutar com atenção provavelmente vai perceber uma referência a algo que já conhece. Uma das coisas que mais chamou a atenção a foi a independência das harmonias, que apesar de terem uma coesão forte com o todo, também se destacam em sua individualidade.


O United Forces Fest, apesar de estreante, se apresentou como um fest promissor, principalmente pela diversidade e por buscar trazer atrações diferentes das usuais nas cidades que for realizado, apesar de toda dificuldade que é comum na organização de eventos para o público rock/metal, foi muito bem recebido e certamente não vai parar por aí.

Abraxas Fest 2018: evento acontece nesse fim de semana em São Paulo e Rio de Janeiro

Por: David Torres

Nesse sábado, vai rolar a quinta edição do Abraxas Fest e nela, teremos a presença de duas atrações internacionais de peso: a lendária banda estadunidense de Sluge/Stoner/Doom metal Eyehategod e o grupo alemão de Stoner/Doom metal Samsara Blues Experiment. Em São Paulo, as bandas se apresentam nesse sábado (13), ao lado das bandas de abertura brasileiras Noala (SP) e ITD (DF). Já no Rio de Janeiro, os grupos tocam no domingo (14), contando com as também brasileiras Pantanum (PR) e Jupiterian (SP) na abertura.



Confiram abaixo as informações detalhadas sobre as duas datas do festival!

Abraxas Fest 2018 em São Paulo 
Data: 13 de outubro de 2018 
Horário: a partir das 17 horas 
Bandas: Eyehategod, Samsara Blues Experiment, Noala, ITD 
Local: Fabrique Club 
Endereço: Rua Barra Funda 1071 - Barra Funda/SP 
Ingresso: R$ 120 (primeiro lote antecipado) até a véspera do show, online (com taxa de serviço) 
Venda física (sem taxa de conveniência): 
Yoga Para Todos (Rua Doutor Cândido Espinheira, 156 – Perdizes) - (11) 94314-7955 
Volcom (Rua Augusta, 2490 - apenas em dinheiro) - (11) 3082-0213 
Loja 255 na Galeria do Rock - (11) 3361-6951 
Ratus Skate Shop (Rua Doná Elisa Fláquer, 286 - Centro, Santo André) - (11) 4990-5163 
Na Hora: R$ 140 
Censura: 16 anos

Abraxas Fest 2018 no Rio de Janeiro 
Data: 14 de outubro de 2018 
Horário: a partir das 18 horas 
Bandas: Eyehategod, Samsara Blues Experiment, Pantanum, Jupiterian 
Local: Cais da Imperatriz 
Endereço: Rua Sacadura Cabral, 145 - Centro/RJ 
Ingresso: R$ 100 (primeiro lote antecipado) 
Venda física (sem taxa de conveniência): 
Rocksession (Rua Conde de Bonfim, 80, loja 3 - subsolo - Tijuca) - 3168-4934 
Tropicália Discos (Praça Olavo Bilac, 28 - Sala 207 - Centro) - 2224-9215 
Hocus Pocus DNA (Rua 19 de fevereiro, 186 - Botafogo) - 3452-3377 
Inside Rock (Avenida Amaro Cavalcanti, 157 - Méier) - 3985-8040
Sempre Música Catete (Rua Corrêa Dutra, 99; sobreloja 216 - Catete) - 2265-6910 
Na hora: R$ 120 
Censura: 16 anos

Topfive: mulheres no underground #6

Bom momento headbangers e amantes do underground! O topfive formado apenas por bandas com integrantes femininas volta à cena pela sexta vez, para apresentar a todos mais bandas em que as mulheres possuam voz, ritmo e participação, colocando a representatividade feminina dentro da música underground por todo o país. Hoje a seleção só tem peso do início ao fim, confira:



01) Fire Strike – São Paulo/SP

Fire Strike é uma banda de Heavy Metal de São Paulo que toca o metal no seu estilo mais clássico, sem firulas, com peso e melodia. Com Aline dominando os vocais e os palcos com carisma e técnica apurada, a banda possui o objetivo de levantar a bandeira do metal por onde vão. Com influencias dos grandes deuses do estilo, como Judas Priest, Iron Maiden, Accept, Saxon, entre outros, a banda destila o mais puro metal pesado em suas composições. Fire Strike é: Aline (Vocais), Lude D. Couto (Guitarra), Hellywild (Guitarra), Gabriel (Baixo), Alan Caçador (Bateria).



02) Crucifixion BR – Rio Grande/RS

Crucifixion BR é um power trio de Blackened Death Metal, com mais de vinte anos de estrada. Atualmente é formado por Marcio Guterres (Lord Grave) nos vocais e guitarra, Beto Factus no baixo e com a grande Juliana “Dark Moon” Novo na bateria. Mais incomum que mulheres em bandas de metal é uma mulher baterista, porém Juliana se mostra extremamente versátil e com uma pegada pesadíssima para soltar as marteladas e mostrar que a banda não brinca nos palcos e nos discos. 



03) Miasthenia – Brasília/DF

Surgida em 1994, Miasthenia é outra banda bastante experiente da cena underground brasileira e que conta com uma representante feminina entre seus membros. A banda é liderada por Susane Hécate (vocal/teclado) e Thormianak (guitarras/baixo) e toca um Extreme Pagan Metal poderoso com letras em português e temática voltada para a história e mitologia pré-colombiana. No momento a banda segue realizando shows e compondo novas músicas junto ao novo baterista Nygrom.



04) Vocífera – Recife/PE

Temos aqui uma banda formada no ano de 2011 somente por garotas, que fazem um Death/Thrash Metal de extrema qualidade e peso. Destaque para o vocal gutural da excelente Ray Torres que flutua entre o agudo e o grave com imensa técnica. Com grandes influencias das bandas clássicas do Death Metal como Obtuary e também do Thrash, como Destruction, o quinteto tem uma pegada muito forte.
Vocífera é: Ray Torres (vocais), Erika Mota (guitarra), Lidiane Pereira (guitarra), Eveline Torres (Baixo), Marcella Tiné (bateria).



05) Vultorn – Curitibanos/SC

E como não poderia faltar, temos aqui nossa representante catarinense. A Vultorn foi fundada no ano de 2012 sob o nome Manfecto, alterando para o nome atual no ano de 2015. O estilo do power trio é o Thrash Metal Old School, com grandes influencias do Thrash alemão, como Sodom e Kreator. A representante feminina é a baixista Julia Goetten Wagner, que demonstra toda sua técnica nas cinco cordas.
Vultorn é: Luciano Magagnin (vocais e guitarra), Julia Goetten Wagner (baixo) e Rubens Toscan (bateria).



Resenha: Enraged - Sacrificed (2018)

O disco começa chamando a atenção com uma capa muito atraente, rica em detalhes e que dá vontade de conhecer o conteúdo. A banda foi formada em 2006, mas se chamava "Sacriffice", em 2009 que mudou de nome para Sacrificed e cá estamos.



O estilo varia, mas é bastante melodioso e agressivo na mesma intensidade. Sempre que pego pra ouvir um disco com voz feminina eu fico bastante interessado em saber como será o estilo da voz e fico tentando decifrar pelas pistas dadas nas capas. Com "Enraged" eu não consegui chegar num ideal antes de ouvir e devo dizer que gostei muito do que ouvi.


Depois dessa análise de capa e tal, bora dar o play.

A introdução da primeira música, "Meet Your fate" é feita com tambores e chocalhos, trazendo uma atmosfera muito interessante, a música começa com força e mostra a maturidade da banda nos primeiros segundos.

Na segunda música, "Shame", já conseguimos perceber que o disco está bem produzido, com guitarras super audíveis e um trabalho vocal super bem pensado. A música é bem envolvente e realmente deu vontade de continuar ouvindo.

"Oblivion" entra na sequencia e logo me surpreendi com os backing vocals masculinos que ainda não haviam me chamado a atenção. Essa música tem uma pegada um pouco diferente das outras, gostei bastante dessa mudança, a versatilidade me agrada. Pensando nisso, qual não foi minha surpresa quando surge um trecho de rítmica brasileira no meio da música? Muito bacana essa influência, fiquei mais interessado na banda.

Acho que agora chegou a baladinha do disco, "To Whom You Belong", introdução bonita, melodias bem interessantes, super envolvente.

Em "The Unspoken", temos um interlúdio onde  o foco vai totalmente para a voz e é gerado um clima de tensão para a entrada de "Spiral Down" que não pude deixar de notar que foi a primeira vez ouvindo o disco que notei alguma influência com outras bandas. Essa originalidade me chamou a  atenção.

Na sequência, "Dear Killer", já começa com uma introdução bem diferente do que rolou até agora no disco, reforçando a ideia de que a banda não se prende aos padrões e vamos para "Refugees" que é uma power balada com violão e vozes bem marcantes.

Estamos chegando ao final do disco e eu estou contente por não saber o que esperar das últimas 3 músicas.

Existe na faixa 9 um segundo interlúdio, porém dessa vez não é algo rápido como "The Unspoken", "Interlude" é mesmo uma canção instrumental bem trabalhada e que prepara bem para "Thick Skin" que conta com a participação de Lucas Guerra nos vocais, que vem com agressividade e complementa bem a voz principal e os backing vocals.

Para fechar o disco temos "Into the Hive", que vem com bastante peso, velocidade e vocais masculinos rasgados logo no início, prometendo fechar com chave de ouro a experiência de ouvir "Enraged". 

O disco acaba com um piano bem legal no final da última faixa e deixa com gosto de quero mais.  De fato a banda surpreende e gera interesse, eu apenas faria a sugestão de explorar um pouco mais as ideias de rítmica brasileira. Foram poucas aparições, mas poderiam ter sido mais. Altamente recomendado!


FORMAÇÃO
Kell Hell - voz
Diego Oliveira - guitarras
Ronan Lopes - guitarras
Bruno Bavose - baixo
Thales Piassi  - bateria

TRACKLIST
01) Meet Your Fate
02) Shame
03) Oblivion
04) To Whom You Belong
05) The Unspoken
06) Spiral Down
07) Dear Killer
08) Refugees
09) Interlude
10) Thick Skin
11) Into the Hive
12) Grudge is My Middle Name

Material enviado pela Metal Media
Selo Shinigami Records

QUADRO NEGRO - #5 Resenha de "Só Garotos" (Patti Smith)

Isso não é um publipost, mas se você ainda não assinou a TAG Livros, corra lá e assine! 

Quando abri a caixa da TAG Livros com as obras da Patti Smith, esperava um livro de histórias. Só Garotos traz, na realidade, uma incrível caixa de recordações.



Patti começa contando sobre os últimos dias com Robert Mapplethorpe, famoso fotógrafo americano, que conheceu quando ambos eram apenas artistas pobres que contavam moedas e muitas vezes, evitavam refeições para pagarem as contas. Cumprindo sua promessa de escrever os dias que viveram juntos, Patti conta sobre sua infância em Nova Jérsei, cidade que ficou pequena para seus sonhos e descreve Robert como amigo, amante e artista (aquele que "era mestre em transformar o insignificante em divino"), sua trajetória até tornar-se um dos mais influentes nomes no meio da fotografia (futuramente responsável pela capa do disco de Patti "Horses", o divisor de águas entre rock e punk), cujos detalhes fazem o leitor perceber a atmosfera da efervescência nova iorquina da década de 70, o ambiente do hotel Chelsea, o despertar sexual e artístico de Robert, a chegada de Patti ao CBGB e ao mundo da música, em uma época onde Robert e Patti caminhavam em perfeita sintonia, complementando-se artística e intimamente. 

Mais que isso, Só Garotos mostra Patti além do punk, como pintora, poeta, compositora, cantora, artista e mais recentemente, fotógrafa. Suas músicas, aliás, são seus poemas com arranjos, conforme ela diz no livro. Ainda tem o surpreendente lado humano de Patti, tímida, mas ao mesmo tempo aventureira, feminista, com olhos que enxergam o mundo de uma maneira única: a maneira Patti de ver. 

Sem spoilers ou maiores detalhes, convido o leitor a descobrir por si mesmo porque Patti Smith tornou-se uma figura tão importante para não só o meio punk, mas para o rock n' roll mundial.

Sound Bullet: divulgado vídeo de show no festival português NOS Alive

Banda carioca venceu concurso EDP Live Bands e comemora 1 ano de seu álbum “Terreno”

Crédito (foto): Pedro Lopes

Seguindo o ciclo de seu elogiado disco “Terreno”, a Sound Bullet entrega aos fãs um vídeo com a íntegra de sua apresentação no festival NOS Alive, em Portugal. O grupo carioca aterrissou em Lisboa após vencer o concurso EDP Live Bands, que escolheu uma banda brasileira entre as mais de 1.500 participantes. O show aconteceu no palco Sagres e pode ser assistido no canal oficial do YouTube.

O evento teve ingressos esgotados e uniu a Sound Bullet a outros nomes de destaque no lineup: Arctic Monkeys, Queens of the Stone Age, Pearl Jam, Portugal The Man, CHVRCHES, The National, Franz Ferdinand. A apresentação dos brasileiros levou ao público português, pela primeira vez, os destaques de sua discografia. Do EP “Ninguém está sozinho”, a música “Aceitar Perdão” mostrou a força de seus primeiros sucessos. “When It Goes Wrong” representou sua faixa de maior número de execuções nas plataformas de streaming, enquanto “Incorporar”, “Doxa”, “O que me prende?”, “Em um mundo de mulher de buscas” e “Amanheci” deram destaque ao disco “Terreno”, que neste mês completa 1 ano de lançamento pelo selo Sagitta Records.

A Sound Bullet se consolidou como um dos destaques do indie rock nacional com o lançamento do álbum produzido por Patrick Laplan. Com uma sonoridade contagiante, o trabalho foi considerado pela crítica especializada um dos melhores discos do ano. Além disso e do EP de estreia, a Sound Bullet traz no currículo o single "When it Goes Wrong”. Gravada no Converse Rubber Tracks, a música foi escolhida como representante mundial do projeto, alavancando a banda para mais de 800 mil plays no Spotify.

Ouça “Terreno”: http://bit.ly/SoundBulletTerreno
Ouça “When It Goes Wrong”: https://spoti.fi/2jTOiHA

Agora, a Sound Bullet está pronta para começar o próximo capítulo de sua trajetória - e iniciá-lo com a vitória no EDP Live Bands foi um ótimo pontapé inicial. A banda formada por Guilherme Gonzalez (voz e guitarra), Fred Mattos (baixo), Rodrigo Tak-ming (guitarra), Henrique Wuensch (guitarra) e Pedro Mesquita (bateria) se prepara para a fase inicial de seu novo disco, a ser gravado e lançado pela Sony Music.

Assista Sound Bullet no NOS Alive: 

 


Setlist
Incorporar
Doxa
When It Goes Wrong
Em um mundo de milhões de buscas
Aceitar perdão
Amanheci

Acompanhe Sound Bullet: https://www.facebook.com/soundbullet/

Fonte: Build Up Media
Postagens mais antigas → Página inicial