Acidental: "Pronto / Partido" é o novo EP, o projeto promete uma nova fase, com composições mais "abrasileiradas"

A banda Acidental, idealizada pelo catarinense Alexandre Machado, lançou na sexta-feira (5) o EP digital "Pronto / Partido", disponível nas principais plataformas de streaming.


Com duas faixas, “Pronto, Nada Aconteceu” e “Partido Em Partes”, é o quinto EP da banda, que promete uma nova fase, com composições mais "abrasileiradas". “Consegui juntar minhas influências de bandas gringas como The Flaming Lips, Depeche Mode e The Cure, com bandas brasileiras como Clube da Esquina, 14 Bis, Guilherme Arantes e Expresso Rural. A ideia é realmente tentar soar o mais brasileiro possível e acho que agora conseguimos atingir isso”, revela Alexandre.

Os quatro EPs anteriores lançados entre 2015 e 2017, foram, segundo Alexandre, um momento para “experimentar e descobrir”. Para ele, "Pronto / Partido", produzido por Paulo Senoni, marca uma definição para o Acidental. “Essas duas novas faixas realmente resumem e apontam para o que vai ser o nosso trabalho daqui pra frente”, afirma.

A banda, que conta também com o baixista Antônio Augusto, aproveitou o novo EP para anunciar uma turnê que começa no tradicional Festival DoSol em Natal - RN, e tem já datas confirmadas em Sobral - CE, Fortaleza - CE, Campina Grande - PB, João Pessoa - PB, Recife - PE, Maceió - AL, Salvador - BA, Catu - BA e Cabo Frio - RJ

Ouça "Pronto / Partido":
oucala.za.mus.br/pronto-partido

Saiba mais sobre as duas faixas do EP por Alexandre Machado:
“Pronto, Nada Aconteceu”: “Basicamente a música fala sobre rotina, sobre como a gente reclama dela, sobre como, geralmente, não fazemos nada para mudar as coisas. A gente senta, vê a tempestade vindo e torce pra ela passar. Afinal de contas, o sol sempre vem depois de um temporal, pode demorar, mas sempre vem. Eu acho que se você ouvir a música e prestar bem atenção na letra, vai conseguir reproduzir as imagens da sua vida de acordo com o que diz a música”.

“Partido Em Partes”: O nome da faixa era pra ser somente "Em Partes", mas como na letra, tem um momento que diz "em partes vi partir quem me fazia sorrir" eu achei legal adicionar à frente do nome o "Partido", talvez teria sido mais gramatical usar "Partiu Em Partes", pois é este o sentido que eu quis dar pro título, mas gostei de um segundo detalhe que percebi depois, em época de eleições, acho o meu partido é o "Partido Em Partes". A música é só mais um clichê sobre escolhas que te levam a ter que perder algo”.

Confira a agenda de shows da banda:
24/11 Sábado - Natal - RN (Festival DoSol)
29/11 Quinta-feira - Sobral - CE
30/11 Sexta-feira - Fortaleza - CE
01/12 Sábado - Campina Grande - PB
02/12 Domingo - João Pessoa - PB
06/12 Quinta-feira - Recife - PE
07/12 Sexta-feira - Maceió - AL
08/12 Sábado - Salvador - BA
09/12 Domingo - Catu - BA
14/12 Sexta-feira - Cabo Frio - RJ

Mais informações em: www.facebook.com/Acidental

Garanta as K7s do Acidental:
acidental.hbbstore.com

Mannequin Trees: explorando sonoridade indie psicodélica no novo disco, “Daydream”

Projeto solo do músico e compositor sergipano radicado em São Paulo Ícaro Reis, a Mannequin Trees apresenta um som psicodélico com influência do synthpop, fazendo uma ponte entre a chillwave e o eletrônico lisérgico. O primeiro disco completo, “Daydream”, acaba de ser lançado pelo selo Balaclava Records.

Após chamar atenção com o EP de estreia, autointitulado, o Mannequin Trees retorna com a sua já estabelecida sonoridade ora oitentista, ora influenciada pela psicodelia moderna. Alternando entre momentos solares e soturnos, Ícaro segue explorando o universo das personagens Donna e Irene, representadas na capa como versões femininas do próprio Ícaro. Elas surgem ao longo das letras. “Na primeira música, já apresento as duas. Mais tarde, aprendi serem alter egos meus”, revela o compositor, que tem também como influências John Frusciante e Supertramp.

“Chances and Changes” versa sobre sair da sua zona de conforto e tentar realizar seus sonhos. “Daydream” aborda o desejo de estar com alguém e serviu como o pontapé inicial para o projeto: foi ela a música escolhida para mostrar aos amigos e de onde veio o incentivo para o lançamento da banda. Já em “So long, goodbye”, primeira canção composta por Ícaro para o Mannequin Trees, traz à tona um contraponto sobre expectativas e realidades, e lidar com as frustrações para seguir em frente. “Tonight” é a continuação dessa temática, seguida por “Follow me”, que prega o fim dos medos, o cuidado com a mente e seguir os instintos. A música foi um dos singles e ganhou um videoclipe.

Assista a “Follow me”: https://youtu.be/hoX3GRezaDM

“O clipe mostra que enquanto não temos certeza de quem somos, nós nos baseamos nos outros pra seguir a vida, repetindo padrões. Nos escondemos em máscaras, e muitas vezes não conseguimos tirá-las”, explica Ícaro Reis.


 
“Remember” representa como a mente do compositor funciona, ritmada e inconstante. Embora a letra não conte com um refrão, o coro se torna o riff da música. “Small Talk” aborda os vícios dos relacionamentos e foi escolhida como single, ganhando também um clipe. Usando a figura de Reis como base, o vídeo foi feito no espírito do do it yourself, na casa do músico, usando uma TV como metáfora do espaço-tempo.

Assista a “Small Talk”:
“Imaginei o vídeo como um loop infinito, comparando com algumas relações que temos, cheias de expectativas e onde as coisas parecem mudar, mas tudo continua na mesma”, explica.

“Hero Made of Sand” entrega a idealização dos “heróis imperfeitos”, mostrando que os erros acontecem, mesmo quando há boas intenções. “She’s an unknown” fala do destino como facilitador de coisas boas e surpresas quando não há grandes expectativas. Por fim, “So close yet so far” entrega a vocação psicodélica do projeto e uma letra que se despede de um relacionamento assim como o ouvinte se despede do disco. Na tracklist, Ícaro retoma algumas faixas que já haviam sido reveladas em vídeos de estúdio da primeira formação da banda.

Confira “Daydream”: https://youtu.be/yNhnEyJhoAs
Confira “Remember”: https://youtu.be/MF5sre_xNJ4
Confira “Chances and changes”: https://youtu.be/rHytyo4oKvE
Confira “Tonight”: https://youtu.be/Bh315YInteU

O Mannequin Trees já colhe os frutos do projeto. A banda lançou seu primeiro EP em novembro de 2017, abrindo uma parceria com a Balaclava Records. Com a boa recepção, se apresentaram no Palco Budstation do Lollapalooza 2018, Bud Basement e Sofar Sounds. Apostando no encontro entre as guitarras e os sintetizadores, o Mannequin Trees chama atenção com um som cheio de nuances e sensações.

Ouça “Daydream”: http://bit.ly/MTDaydream


Ficha Técnica:
Produzido e mixado por Ícaro Reis
Masterizado por Ícaro Reis e Raphael Ferreira
Capa por Ekatrine Garoufalis

Tracklist
1. Chances and changes
2. Daydream
3. So long, goodbye
4. Tonight
5. Follow me
6. Remember
7. Small talk
8. Hero made of sand
9. She's an unknown
10. So close yet so far

Mattilha e Sioux 66 lançam clipe de ‘Sem Tempo Ruim’ no canal da Onerpm

Single do segundo disco – Crônicas do Underground - da banda de hard rock/heavy metal Mattilha, ‘Sem Tempo Ruim’ agora ganha versão videoclipe. Assim como na música, o quarteto paulistano conta mais uma vez com a participação da Sioux 66.

Assista aqui:



Sem Tempo’ agrega todos os elementos que pavimentaram a sólida carreira da Mattilha. Tem peso, momentos cadenciados, mas o que impera, mesmo, é a crueza como a banda reforça o balanço pontual do hard rock clássico. dos anos 80 e 90, com ingredientes do heavy metal. A música é uma celebração à amizade e parceria de mais de cinco anos com o Sioux 66.





c49fea45-8e44-4676-b33e-4eeaf0730229
Crônicas do Underground, lançado em agosto deste ano pelo próprio selo da banda, a Canil Música, é o álbum mais bem-sucedido do Mattilha. Em menos de três meses, foram mais de 50 mil streamings no Spotify. Ouça o álbum na íntegra aqui: https://ONErpm.lnk.to/Mattilha.


Confira a agenda do Mattilha:
27/10 São Paulo/SP no Octo Street com RATM tribute
10/11 Mococa/SP no M4 com Melanie Klain, Sioux 66 e RATM Tribute
01/12 Indaial/SC no Morro da Pedreira com Sioux 66

Ficha técnica
Mattilha e Sioux 66 - Sem Tempo Ruim
Álbum: Crônicas do Underground
Label: Canil Música

Direção e edição e finalização: Plínio Scambora (Pier66 Films)
Produção executiva: Victor Guilherme
Roteiro: Ian Bueno
Assistente geral: Guilherme Caiado
Make-up: Deborah Cavalcante

Agradecimentos:

Anna Moreira
João Limeira
Roger Katt
Fábio Gorgatti
Anderson Ilmar

Apoio:

Dabdog
ONErpm


tedesc id

Insano Brutal Fest II: é chegada a hora da insanidade em Içara

A primeira edição do Insano Brutal Fest foi no começo desse ano, na cidade de Tubarão/SC, e fez a casa de eventos Directório's Bar voltar aos seus tempos aureos de templo da cena underground. E como tudo que é bom merece uma nova dose, a AmuHell Produções resolveu levar a insanidade a um novo patamar e a uma nova cidade: Içara, cidade próxima a Criciúma, irá receber a nova versão do evento, na casa Colher de Chá, neste sábado 20 de outubro.

Não há como negar que a expectativa é alta. O cast é realmente insano, pois não haverá uma banda que há de poupar os pescoços alheios. O festival vai começar quando a Obscurity Vision iniciar seu ode profano as 22h. Após a sessão de Black Metal, as trevas virão da obscura cidade de Nova Fazenda na forma da banda Dark New Farm. Quando o relógio apontar meia-noite, a previsão é de que os thrashers da Alkanza invadam o palco. Na sequência, Silent Empire e Dead Nation prometem uma dobradinha de Death Metal clássico e irreparável, para aqueles que ainda tiverem nervos nas ligações entre a cabeça e o resto do corpo.


Os ingressos para apreciação deste espetáculo de devoção ao Metal serão vendidos na portaria por R$20, e as portões para que a horda possa invadir o Colher de Chá serão abertos as 19h.

Trinka Rua: preparando grande show para o lançamento do debut


Para celebrar o lançamento de seu debut, autointitulado, o paulista TRINKA RUA está preparando um grande show.

Trinka Rua - Divulgação

Será no dia 25 de outubro no Z Carniceria, em Pinheiros, na capital paulista e contará como convidados especiais os grupos Laika Não Morreu, XaMan e Andi Vannelli.


Os ingressos antecipados já estão à venda e mais detalhes podem ser conferidos pelo link: https://www.facebook.com/events/352952368778066/
Trinka Rua - Show de Lançamento do CD
Serviço:Z Carniceria apresenta: Lançamento do CD e show da banda TRINKA RUA.Artistas convidados: Laika Não Morreu + XaMan + Andi VannelliSexta, 25 de Outubro
Abertura da casa – 20h
Show – 21h
Ingresso antecipado:
https://www.ingresse.com/trinkarua-ingressos-zcarniceria
Antecipado: R$ 20
Porta: R$30
Z Carniceria
Av. Brigadeiro Faria Lima, 724 – Pinheiros – São Paulo/SP – CEP 05426-200
Fone: (11) 2936-0934
Cartões de crédito e débito: Elo, Visa, Mastercard, Diners e American Express (não aceitamos cheques)
Chapelaria: R$ 5,00
Capacidade: 250 pessoas

Vindo da cidade de São Paulo, o TRINKA RUA é um jovem grupo com uma proposta peculiar: mesclar diversos estilos e criar algo único. De Hip Hop ao Metal, do Jazz ao Forró, a musicalidade sem limites do grupo paulista está prestes a ser apresentada ao público em seu primeiro álbum oficial, ‘Trinka Rua’.


Gravado no estúdio Musota Records, mixado e masterizado no estúdio El Rocha, o disco teve todas as músicas arranjadas pelo vocalista Rafael Suzuki, que também as gravou e realizou os trabalhos técnicos.

O lançamento de ‘Trinka Rua’ está previsto para outubro e será lançado em formato digital.

Links relacionados:
E-Mail: trinkarua@gmail.com
Facebook: https://www.facebook.com/TrinkaRua/
YouTube: https://www.youtube.com/channel/UC3k3vLzf7YPn5uDcOUaQF-Q
Instagram: https://www.instagram.com/trinkarua/
Metal Media: http://metalmedia.com.br/trinkarua

Fonte: Metal Media

Khorium: novo boné está disponível para venda


Agora, além de vestir a camisa do KHORIUM e ouvir sua mistura única de Música Pesada, Rap e muita consciência política, também é possível comprar o boné oficial do grupo.

Khorium - Divulgação

Em uma grande parceria com a empresa Nada Wear, o grupo desenvolveu seu boné, modelo ‘Trucker’. Os bonés já estão à venda e podem ser comprados diretamente com a banda ou na loja virtual da Nada Wear:
https://www.facebook.com/BonesNadaWear/

Khorium - Boné
O mais recente trabalho do KHORIUM, o EP ‘Manual Prático do Brasil’, está disponível nos principais aplicativos de streaming do mundo, veja alguns links:

Spotify: https://open.spotify.com/album/4You6AnkN1iyOIT9iDcAHN
Deezer: http://www.deezer.com/album/56334622
iTunes: https://itunes.apple.com/br/album/manual-pratico-do-brasil-ep/1343557981

Sua versão física está encartada junto com a edição #18 do Fanzine Mosh. A publicação conta com distribuição nacional, mais informações sobre como adquirir pelo link: https://goo.gl/KBtGzJ

Links relacionados:
E-Mail: khoriumband@gmail.com
Facebook: https://www.facebook.com/khoriumband
Instagram: https://www.instagram.com/khoriumband
YouTube: https://www.youtube.com/channel/UCi2Vu6lPGLmVCLbGRwjvy7Q
Spotify: https://open.spotify.com/artist/4mWFx6jSlE2dwM9okmIsby
iTunes: https://itunes.apple.com/br/artist/khorium/1214037229
Metal Media: http://metalmedia.com.br/khorium

Fonte: Metal Media

Topfive: mulheres no underground #7

Riot grrl, indie, hardcore punk: não falta estilo, não tem desculpa para não prestigiar as bandas do Top 5 - mulheres no underground de hoje.
Mulheres_No_Underground_#7

1) Belicosa


Com Letícia, Rosario, Deltinho e Sofia, a banda LGBT carioca  (do selo Efusiva, da MOTIM, reduto feminista que reabriu as portas recentemente) vem mostrar a que veio vem com letras de navalha. Autodenominando-se "indie, queer, negra, boladona e riot", melhor apresentação que essa é apenas o som da Belicosa.

2) A Vingança de Jennifer

Queridinha do nosso site, já contamos um pouco da história da banda nesse link aqui. Diretamente de Canoas (RS), Ana Letícia, Lu, Amanda e Kamila fazem de sua música um grito feminista empoderador. Só o nome já é de arrepiar: baseia-se no filme com nome homônimo, onde a protagonista é estuprada por quatro homens e, deixada quase morta, ela retorna após a sua recuperação para vingar-se de seus malfeitores. Se punk é o grito dos oprimidos contra a sociedade opressora, A Vingança de Jennifer é banda must listen na sua playlist.

3) Derrotista

Essa banda paraibana de Campina Grande, de Bené, Ri e Abu, tem não apenas três músicas em seu Bandcamp, mas três socos no estômago: a la Dead Fish, Derrotista tem muito potencial para despontar carreira no underground com o seu som rápido e letras de protesto.

4) Ratas Rabiosas

Hardcore Punk feminista made in São Paulo desde 2013: também no grito pela luta feminista, "na contra cultura e no movimento punk", Ratas Rabiosas traz Angelita no baixo, Lary na bateria,  Amanda na guitarra - e todas as três a plenos pulmões nos vocais cantando críticas contra, principalmente, o capitalismo.

5) Ostra Brains

Riot grrl do Rio de Janeiro, Ostra Brains faz garage rock em inglês com a maravilhosa Amanda nos vocais, além de Roger e Mario na guitarra e bateria, respectivamente. A vocalista foi responsável pelo início das atividades da MOTIM, reduto feminista carioca, conforme mencionado anteriormente. Com três álbuns disponibilizados no Bandcamp, Ostra é responsável por letras tão fortes quanto o seu som.

As Dramatic Homage: de volta aos palcos em show ao lado do Imago Mortis

Em uma noite que com certeza será especial, o AS DRAMATIC HOMAGE, marcará sua volta aos palcos em grande estilo, no Rio de Janeiro, ao lado do Quintessente e Imago Mortis, que estará lançando seu novo álbum “LSD”.
AS DRAMATIC HOMAGE - Divulgação
O evento será no tradicional Teatro Odisseia, Lapa, domingo, 21 de outubro a partir das 17hs.
AS DRAMATIC HOMAGE - Evento

O AS DRAMATIC HOMAGE se prepara também para o lançamento de um single que receberá o título de ‘Consternation’, previsto para outubro deste ano. Com certeza mais uma experiência sonora única. Novidades sobre o single serão postadas com frequência nos canais oficiais do grupo, não deixe de curtir e seguir.

Confira o lyric video para a faixa título do mais recente trabalho, ‘Enlighten’:

Enlighten’ foi lançado em 2016, parceria com o selo Cold Art Industries e foi gravado no HCS Studio, no Rio de Janeiro, com produção da própria AS DRAMATIC HOMAGE. O álbum completo pode ser conferido no YouTube e Spotify, siga os links:

Spotify: https://open.spotify.com/album/3VaPgYYx4xQKXVN5vs63xb
YouTube: https://youtu.be/vU0jk0UvAuk

Links relacionados:
E-Mail: adh.contato@gmail.com
Facebook: https://www.facebook.com/AsDramaticHomage
Instagram: https://www.instagram.com/asdramatichomage/
YouTube: https://www.youtube.com/channel/UCAXwe0my48KfUbggg8sAx8Q
Spotify: https://open.spotify.com/artist/74a4ZRcvmBTq1iSBsl9O9s
iTunes: https://itunes.apple.com/br/artist/as-dramatic-homage/1094562757
Metal Media: http://www.metalmedia.com.br/asdramatichomage

Fonte: Metal Media

Drowned: “um dos pilares do Death Metal brasileiro”


Quem acompanha a vitoriosa carreira do DROWNED sabe que o grupo nunca teve medo de se buscar novas inspirações e evoluir seu Death Metal, sem nunca deixar de manter suas raízes intactas. Com o recém-lançado novo álbum, ‘7th’, a premissa é a mesma e mais uma vez o grupo está sendo reconhecido pela sua música.
Drowned - Divulgação



Prova disso é a total aprovação que vem recebendo da mídia especializada brasileira que mais uma vez coloca o grupo mineiro entre os principais nomes do Metal nacional.


Um dos sites a fazer isso é o renomado Heavy Metal Thunder que agraciou ‘7th’ com a nota e máxima e declarou: “O sétimo disco do DROWNED vem para recolocar o grupo como um dos pilares do Death Metal brasileiro, com canções inspiradas e bem arranjadas.” E segue dizendo:


“Nada do que se ouve nesse disco é descartável, está faltando ou é excessivo. Pelo contrário, “7th” parece um rolo compressor pronto para passar por cima de tudo e todos, com arranjos bem feitos, linhas melódicas de bom gosto, e instrumental técnico casando com vocais agressivos variando muito de timbres.”


A resenha, muito completa, faz uma análise profunda do álbum e da evolução constante do grupo e encerra taxativamente: “‘7th’ vem para mostrar o quão vivo o DROWNED está, e se preparem, pois a banda vai conquistar cada um dos que ouvirem esse disco. Tenham certeza!”
Drowned - 7th




‘7th’ foi lançado no Brasil pela Cogumelo Records e na América do Norte pela Grayhaze Records. Além de um BOX luxuoso, o disco também está disponível em versão simples, em digipack, à venda com a banda, nas melhores lojas e com a Cogumelo.
O álbum também nas já tradicionais plataformas digitais, como Spotify, iTunes, Google, entre outras:

Spotify: https://open.spotify.com/album/1sFKTdKVgiCEZ1pGz8wT2G
iTunes: https://itunes.apple.com/br/album/7th/1391387575
Google: https://goo.gl/1g5LWf
Deezer: https://www.deezer.com/en/album/64725762

A banda também lançou o videoclipe ‘The Bitter Art of Detestation’, assista:

https://youtu.be/H6LW8HOp0o0

Links relacionados:
E-Mail: drowned@drowned.com.br
Site: http://www.drowned.com.br
Facebook: https://www.facebook.com/DrownedMetal
Instagram: https://www.instagram.com/drowned_band
YouTube: https://www.youtube.com/user/drownedmetal
Spotify: https://open.spotify.com/artist/4KBGMEhOZsQ9GSIuaTr2Dz
iTunes: https://itunes.apple.com/br/artist/drowned/262225146
Metal Media: http://metalmedia.com.br/drowned

Fonte: Metal Media

Caverna Kilmister: projeto solidário arrecadará brinquedos para doação no Natal, saiba como ajudar!

O Caverna Kilmister não tem nem um ano de que abriu suas portas e já demonstra grandeza em suas ações. Um projeto solidário é muito mais do que aparenta, projetos assim transparecem a alma de pessoas que buscam um mundo melhor, coração aberto para fazer alguém sorrir e o Rock 'n Roll tem isso de sobra em todos que participam desse círculo.



"Selo Caverna Kilmister Natal Rock Solidário" é o projeto em que estamos falando, criado pelos proprietários da casa de shows catarinense. Basicamente consistente em entradas free com doações de brinquedos, que serão doados no Natal para crianças carentes.

Leia a nota divulgada oficialmente pelo Caverna Kilmister:


"Agora vamos falar de solidariedade.

Nós do Caverna Kilmister criamos um selo.O Selo Caverna Kilmister Natal Rock solidário. Esse, consiste em criarmos eventos entrada free e com ele se você desejar poderá trazer um brinquedo usado (em bom estado) ou novo. a intenção disso é tentar proporcionar um natal melhor para crianças carentes.

Juntaremos todos os brinquedos arrecadados até dezembro, e realizaremos um evento para as crianças com várias atrações aqui no Caverna Kilmister para entrega dos mesmos.

Estamos buscando patrocinadores, se você está lendo esse post e desejar patrocinar entre em contato conosco.
WhatsApp 48 9 9999-8355

Vamos fazer a diferença galera! ajudar faz bem.
"

Para ajudar é fácil, comparecendo aos eventos e doando brinquedos (em bom estado), assistindo os shows das bandas e cooperando com o projeto. Se você é de fora de Santa Catarina, entre em contato pelo WhatsApp acima citado, poderá ajudar de alguma forma.

Exaltamos a iniciativa do Caverna Kilmister, que tem total apoio d'O SubSolo, mídia oficial da casa.

Acompanhe novidades da casa na página oficial

Entrevista: Anguere HC (Rio Claro/SP)

Formada em 2008 na cidade de Rio Claro/SP, o Anguere traz um repertório violento, buscando fazer uma junção de algumas características da música brasileira com vários estilos da música pesada, criando assim sua própria sonoridade com suas notoriedades ímpares.

Recentemente o trio, passou por uma turnê por alguns países da América do Sul, passando por países como Bolívia, Equador e Peru, e buscam compartilhar conosco nessa entrevista essa experiência, entre outras, com essa bagagem de dez anos de cena underground. Confira:




Valeu Anguere, gratidão pelo tempo disponibilizado para responder a entrevista. Como surgiu o Anguere e qual era o intuito desde o começo?
Anguere: Nós que agradecemos a oportunidade em falar com a equipe do O SubSolo, cara o ANGUERE surgiu da reunião de amigos que frequentam a cena underground com o intuito de mostrar nossa paixão pelo som pesado estar ao lado de bandas respeitadas e contribuir para underground em modo geral.

Vocês iniciaram a trajetória da banda em 2008 e já em 2009 lançaram um registro intitulado "Anguere-Anguere. Já tinha as composições ou foi tudo trabalhado nesse primeiro ano?
Anguere: Nesse intervalo de 2008 até lançamento do trabalho em 2009, não houve nenhuma apresentação, foi apenas a criação e composição das musicas apara lançamento do primeiro EP que contem 6 faixas intitulado ANGUERE/ANGUERE que são totalmente autorias e quem quiser ouvir basta acessar nosso site, canal no youtube ou qualquer plataforma digital como Spotify e dar play. 

Após o disco que mencionamos na pergunta anterior, o Anguere foi lançar algo novo apenas em 2014. Qual o motivo dessa "pausa" e o que mudou nesse tempo?
Anguere: Passamos por mudanças na formação onde o primeiro vocalista PRM nos deixou e o Thiago Soares assumiu essa responsabilidade, entramos então em uma nova fase de adaptação devido a novas influencias trazidas pelo Thiago Soares, onde lançamos um EP com nome HCRC que é uma previa do que viria no álbum "CHOQUE". Mudamos a sonoridade, pode notar que agora tem mais velocidade, uma pegada mais Thrash / Grind.

Avançando um pouco, vocês fizeram uma tour sul-americana. Como foi essa experiência?
Anguere: kkkkkk, cara foi muito louco. Experiências para vida pessoal, pra vida profissional e como musico então nem se fala, vivenciando todos os erros e acertos que uma tour internacional pode proporcionar. Podemos dizer hoje com toda as certeza que o metal não tem fronteiras e esta em todas as partes desse mundão.

Ainda sobre a tour, vocês passaram por Equador, Peru e Bolívia. O que da cena de lá, é diferente da nossa? E o que poderíamos reaproveitar?

Anguere: Mano, é difícil pontuarmos, podemos citar que fomos bem recebidos em todos os lugares que passamos, todos os produtores cumpriram com combinado, equipamentos todos em ordem (inclusive no aeroporto a guitarra do Muskito foi extraviada e para executar alguns shows os produtores foram todos de pronto para arrumar uma guita), galera compareceu em peso! A diferença mesmo era a MOEDA, CULTURA e o IDIOMA! 

Agora falando da nossa cena. Quais os pontos positivos e quais os negativos? O que mudariam?
Anguere: Como todos já estão cansados de pontuar e saber, citamos a falta de presença do publico em shows e aquisição de material da banda, se isso funcionasse, acho que teríamos um grande avanço no underground. Quanto as positivos, podemos dizer que a qualidade das bandas que vem surgindo e também as que estão lutando por um espaço vem crescendo e cada vez mais com qualidade e também as pessoas que lutam por um espaço e ajudando com que os festivais em lugares públicos aconteçam, por que se esperarmos ao do poder publico estaremos fodidos.  

É legal abordar esse tipo de pergunta, ainda mais de uma banda com uma excelente bagagem. Quais foram as maiores dificuldades encontradas pelo Anguere até hoje?
Anguere: A maior dificuldade nesses 10 anos de caminhada foi e ainda é a parte financeira, como todos sabem manter uma banda que esta sempre produzindo tem custo, e na maioria das vezes o investimento feito pela banda não gera retorno financeiro, tem outros retornos, porem o financeiro demora ou não vem. 

Vocês já participaram de várias coletâneas. O que acham desse tipo de iniciativa?
Anguere: Cara o ANGUERE já saiu em muitas coletâneas, nacionais, internacionais, físicas e digitais. Afirmamos que as coletâneas são uma porta ou melhor, uma grande oportunidade que o público tem de conhecer várias bandas em apenas uma compilação, sem contar que a banda acaba participando entre bandas de nome e sendo visualizada por todos que se interessam por esse meio de divulgação em áudio. Resumindo coletâneas são foda. 

Da cena paulista, o que indicariam para os leitores ouvirem? E como vêem a cena paulista?
Anguere: Vemos a cena Paulista bem forte no sentido de diversidades/variedades de estilos e sonoridades, quantidade e qualidade das mesmas. No estado de São Paulo, temos inúmeras bandas de nome já no mercado e respeitadas no underground. Podemos citar uma que saiu daqui de pertinho da nossa cidade que fica no interior paulista e somos orgulhosos por eles é o CLAUSTROFOBIA. 

Queremos agradecer a oportunidade de conhecer um pouco mais sobre vocês. Qual a mensagem deixam para os leitores?
Anguere: ''O loko brother'' nós que agradecemos a oportunidade e tampe o apoio que vocês do O SubSolo vem nos dando ao longo do tempo! Queremos dizer que esse ano de 2018 ainda vem muitos trabalho novos nacionais e internacionais, videos, musicas, novos contratos com gravadoras entre outras coisas que estamos preparando, agradecemos todos que nos tem apoiado ao logo desses 10 anos de caminhada e deixar aqui que ANGUERE Thrash Hardcore ta trabalhando pesado e melhorando cada dia que passa... Valeu galera vocês são Foda!

Acompanhe o Anguere
https://www.facebook.com/anguere
http://anguerehc.wixsite.com/banda

Dall: clipe de "Renascer" marca o retorno da banda, assista agora!

A vida funciona por ciclos. Tudo nasce, se desenvolve, morre e... renasce! Assim é com as estações do ano, com o sol em cada dia, com as fases da lua, com o encher de um pulmão e o bater de um coração.



Procurando nesse clipe e nessa música celebrar isso tudo. O protagonista (o ator Jordan Maia) passa por uma serie de mudanças (de certa forma, mortes) que culminam em um novo ciclo em sua vida (renascimento).

Assim como a Dall que, após diversas mudanças nos integrantes de sua formação original, renasce em novo formato para um novo ciclo, inaugurando-o com esse lançamento que homenageia esse processo.



DALL - Renascer
Produção, masterização e mixagem: Neni Hx
Produção do clipe: Franciele Arnold
Atuação: Maia Jordan, Roberta Jorge e DALL
DALL é: Charlie Graeff, Rodolfo Deon e Neni Hx

Cobertura: Abraxas Fest 2018 (São Paulo/SP)

Abraxas Fest 2018
Fabrique Club - São Paulo - 13/10/2018

Para comemorar o seu quinto aniversário, a produtora Abraxas decidiu comemorar em grande estilo, com um festival monstruoso que rolou nesse último fim de semana, com uma data em São Paulo (13) e outra no Rio de Janeiro (14). Esse baita evento contou com a presença de duas grandes bandas, a alemã Samsara Blues Experiment e a estadunidense Eyehategod. Como podem imaginar, as expectativas para os shows foram atendidas com perfeição e mais abaixo falaremos detalhadamente a respeito de tudo o que rolou nesse último sábado, aqui em São Paulo, na casa de shows Fabrique Club.

A abertura do local ocorreu por volta das 17h e pouco após teve início a apresentação do Noala, grupo paulistano de sludge/post-metal composto por Sandro (baixo), Rodrigo (bateria), Alessandro (guitarra), Estevão (teclado) e Marcos (vocal/guitarra). A banda fez uma apresentação curta, porém muito eficiente e atmosférica, abrindo o evento com muita intensidade e sabedoria. Destaque também para o discurso proferido pelo frontman Marcos, que citou o fato de ser um músico negro e dissertou acerca do terror do fascismo que atormenta cada vez mais a nossa realidade. 



Cerca de 18h10, é hora do ITD (Into the Dust) subir ao palco. Oriundos de Gama (DF), o quarteto de doom metal fez uma apresentação igualmente poderosa, ainda que curta, que incluiu composições como "O Escolhido", "Era Sombria" e "Peregrinação", que de acordo com Betto Nossat (vocal/guitarra), possui um videoclipe bem tosco, algo que provocou risos nos presentes. Outro show de alto calibre.




Pouco mais de 19h, a primeira atração internacional da noite inicia a sua performance pesada e psicodélica. Falo do Samsara Blues Experiment, power trio alemão de stoner/doom metal formado por Hans Eiselt (baixo), Thomas Vedder (bateria) e Christian Peters (vocal/guitarra). O show dos caras é uma experiência altamente viajante e única. Promovendo o seu último álbum, "One with the Universe" (2017), a banda nos brindou com duas composições desse trabalho, "Vipassana" e "One With the Universe", além de "Army of Ignorance" e "Center of the Sun", do debut "Long Distance Trip" (2010) e "Shringara", de "Waiting for the Flood" (2013). O único ponto negativo da apresentação do grupo foi o volume baixo do microfone do frontman Christian Peters, problema esse que prevaleceu durante todo o show. Em alguns momentos era praticamente impossível ouvir o que o músico cantava. Apesar de tudo, foi uma apresentação de altíssima qualidade. 




Por fim, às 20h30, após a montagem de equipamentos e a passagem de som terminar, é hora dos veteranos do sludge/doom metal do Eyehategod botarem a casa abaixo. Jimmy Bower (guitarra), Mike Williams (vocal), Gary Mader (baixo) e Aaron Hill (bateria) realizaram uma performance insana, crua e direta, do jeito que tem que ser. A frenética "Agitation! Propaganda!", de "Eyehategod" (2014) inicia a apresentação de forma perfeitamente caótica. Representando o disco "Confederacy of Ruined Lives" (2000), "Jack Ass in the Will of God" foi tocada na sequência, seguida pelo medley "Blank" / "Shoplift", duas composições presentes em "Take as Needed for Pain" (1993). 




O restante do repertório ainda contou com pérolas como "Lack of Almost Everything", "Sisterfucker" (Parts I & II), "Medicine Noose", "Revelation/Revolution", "Methamphetamine", "Peace Thru War (Thru Peace and War)", "Run It into the Ground", "Dixie Whisky / White Neighbor", "Left to Starve" e "Serving Time in the Middle of Nowhere". Destaque para a insana performance do vocalista Mike Williams, que chegou a jogar água nos rostos de alguns fãs que estavam a frente do palco em alguns momentos. Em poucas palavras, foi uma apresentação de primeira, com direito a Williams e o guitarrista Jimmy Bower agradecendo a presença de todos ao término do show.

A produtora Abraxas está de parabéns, tanto pelos cinco anos de atividade como pelos shows memoráveis que proporcionaram. Que venham muitas outras edições pela frente. Certamente estaremos no aguardo!

Redigido e fotografado por David "Fanfarrão" Torres

Mais fotos em nossa página oficial


Morenas Azuis: saiba detalhes e ouça agora o EP "Bronze"

O Power trio Catarinense, Morenas Azuis, lançou no dia 08 de outubro o seu mais novo Ep! BRONZE é o terceiro trabalho de estúdio dos Brusquenses e conta com duas faixas. O Ep foi gravado em julho de 2017 na cidade de Porto Alegre/RS, no Hill Valley Studio, sob o comando de Davi Pacote, que assina a produção junto com os integrantes da banda.



Segundo Lucas Rhuan (guitarra e voz): “Para nós este trabalho soa diferente dos anteriores e demonstra uma evolução da banda em termos de produção e arranjos. Acho que devido ao fato de estarmos mais maduros e entrosados, foi o que contribuiu para esse resultado”.

Foram 3 dias confinados no estúdio, gravando e produzindo as músicas. Segundo Renan (bateria e voz): “Desta vez fizemos um pouco diferente. Nos dois CDs anteriores, entramos em estúdio já com os BPMs definidos e as músicas praticamente prontas. Neste Ep, deixamos para finalizar as músicas no próprio estúdio, e esse processo foi o que fez a diferença no resultado final”.

Seguindo a linha dos trabalhos anteriores, a capa do Ep também foi produzida por um artista. A banda convidou o artista e músico Paulo Rocker (ex-Gramofocas, e agora Paulo Rocker e os Rockaways) para desenvolver o projeto. Rocker já assina a capa de vários artistas, dentre eles: NXzero, Autoramas, Magaivers, Blind Pigs, Armada, Little Quail, Subalternos, Sheena Ye, e muitos outros.  Para Pio(baixo e voz): “Crescemos ouvindo Gramofocas, e tantas outras bandas, as quais o Paulo veio a produzir capas de discos, DVDs, Coletâneas. Poder lançar um trabalho com a assinatura dele, é, além de tudo, a realização de um sonho”.

“Respirar” e “Conseguir” são as faixas que compõem o BRONZE. Lançado de forma independente, o Ep já se encontra disponível em todas as plataformas de streaming, como: Spotify, Deezer, Google Music, OneRPM, Youtube, etc...

Abaixo alguns links de acesso para ouvir o novo Ep: 

Para assistir os 4 videoclipes da banda:

Links para redes sociais:

Contatos para Shows:
E-mail: morenasazuis@gmail.com
Fone: (47) 9 9164-7858 (também whatsapp)

Editora Denfire: lançamento do livro "Offline: Sondando o Underground" está previsto para próxima terça-feira (16)

A Editora Denfire acaba de dar início às suas atividades com "OFFLINE: Sondando o Underground", livro com entrevistas e resenhas feitas pelo músico Denfire, quando o mesmo trabalhou como correspondente internacional da mídia especializada, entre 2006 e 2013.   



Entrevistas: 

Napalm Death, Amebix, Goldblade, Cannibal Corpse, Thrashera, Ratos de Porão, Tiamat, Jello Biafra, Master, Pentagram, Henry Rollins, Gama Bomb, English Dogs, Torture Squad, Kreator, Massacre, Uriah Heep, Nashville Pussy, Repulsion, Mykvs, Extreme Noise Terror, Motörhead, Venom, Broken Bones, Nocturnus, Death Angel, Discharge, Vibrators, UK Subs, Brutal Truth, Diamond Head e Terrorizer. 

Resenhas: 

Hellfest 2010, Rebellion 2009 e 2010, Monster Magnet, Big Sexy Fest, Tributo ao Ruts, Firebird, Fozzy, Freak Kitchen, Leaf Hound, Eddie & The Hot Rods, Steven Seagal & Thunderbox.  


Quote:

“Às vezes, a única maneira de dar sentido ao imenso e complexo underground é entrevistar um grupo diversificado de personagens que, de alguma forma, sobrevivem em seus mares turbulentos. Este ótimo livro é exatamente isso e dá a você uma compreensão de por que fazemos o que fazemos e por que você continua interessado nisso” – Louder Than War (UK)   


Ficha técnica:

Tamanho A5 
Papel couchè 115g 
220 páginas coloridas 
1ª Edição outubro de 2018 
Autor: Denfire 

O livro, que será lançado no dia 16 de outubro, já pode ser encomendado a R$40,00 (frete incluso para todo o Brasil) aqui: www.editoradenfire.com

Postagens mais antigas → Página inicial