07 maio, 2016

[RESENHA] - STONERIA - STONERIA (2014)


Inspirados pelo rock clássico como Led Zeppelin, Black Sabbath, Raul Seixas, Titãs, The Stooges e Jimi Hendrix, e formada em 2007, no início Stoneria se apresentava em bares tocando covers e apresentando aos poucos suas composições próprias, até que com o tempo o trabalho autoral se tornou o foco da banda.

Em 2010, a banda trouxe ao mercado o EP "Máquina do Sexo", tendo uma ótima repercussão e criticas positivas, emplacando hits como "Madona" e "Brilho da Morte", ambos com milhares de acesso no Soundcloud. Em 2014 chega o brilhante álbum autointitulado e junto dele o primeiro videoclipe da banda, da terceira faixa do disco, "A Cera", onde já contabiliza mais de 13 mil visualizações, por isto, hoje viemos resenhar este brilhante début, autointitulado, "Stoneria".




A maturidade faz parte da evolução de qualquer ser humano, quando em questão temos músicos procurando se firmar no cenário musical, é gratificante para uma banda alcançar uma sonoridade tão madura e cadenciada, que é o caso do Stoneria.

Pelo nome da banda, esperamos um álbum repleto de Stoner Rock, porém nos deparamos com peso, riffs e grooves que lembram desde o Rock Nacional ao Punk Rock, com pequeníssimas doses de Stoner Rock, tornando um som único e eficaz. Longe da mesmice e do convencional, Stoneria mescla riffs sujos lembrando o Punk Rock, outrora riffs cadenciados lembrando o rock dos anos 80's, algo que daria orgulho as influências anunciadas pela banda, fácil notar pitadas de Led Zeppelin, Black Sabbath e Hendrix em meio a uma música e outra.

Cantando em português, alternando entre metáforas, poesias e boas letras, é bom ver que cada vez mais as bandas brasileiras estão procurando cantar em nosso idioma, em meio a uma cozinha muito bem feita e sem se rotular ou se padronizar, Stoneria vai aos poucos montando sua própria sonoridade, com algo despojado e curioso, fazer o bom Rock 'n Roll não é trabalho algum. Em meio as músicas, tocam como se estivessem acariciando os instrumentos, adicionando um tempero de um som psicodélico e viajante, algo que definiria como surreal.


CONFIRA O VIDEOCLIPE DE "A CERA"


A grande curiosidade do álbum é a faixa "Latino Americano" que surpreendentemente surge com uma viola caipira durante sua introdução, dando corpo a música, que tem uma energia absurdamente contagiosa, lembrando o rock setentista. Músicas como "Nada a Perder", "Guerra Civil", "A Cera" e "Cicatriz" também fazem parte dos destaques do álbum, mixado e masterizado por Fernando Sanches, que conseguiu definir todos os timbres em um mesmo nível, dando para identificar cada detalhe técnico de cada instrumento, alcançando um patamar de altíssimo nível. 




A capa é obra do artista, Gabriel Cainê, que conseguiu refletir em arte o que o Stoneria trás em música. Álbum psicodélico, com pitadas de enigmas e metáforas. O que trás mais vida a capa ainda, é a cor escolhida, roxo, que como disse, reflete no que o Stoneria demonstrou sonoramente durante o álbum, energia, alegria e boa música/boa capa.





FORMAÇÃO
Zen - Vocal;
Arthur George - Bateria;
Pedro - Guitarra;
Caius - Baixo

SIGA STONERIA

ASSESSORIA DE IMPRENSA

← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário