16 outubro, 2016

Resenha: Não adianta falar temos que GRITAR - Análogo (2016)

Sempre tem uma banda na sua região que você sente orgulho, tanto de ser amigo dos caras, quanto acompanhando o trabalho que eles vem fazendo. Cada dia que passa vemos muito do mesmo, bandas que não se produzem direito e já estão com uma boa agenda de shows, sim, eu acho isto injusto de certa maneira. Recebemos no mês passado este disco dos catarinenses da Análogo e para nossa surpresa, nossa logo foi adicionada na contra capa. Reconhecimentos nunca são de mais e fazem valer cada suor derramado no trabalho que você faz, seja ele qual for. O nosso muito obrigado Análogo.




Desde seus primórdios a Análogo vem investindo em si, ninguém mais do que eles acreditaram nesse trabalho tão fielmente, porém a banda não esperava ter tanto reconhecimento dos amigos próximos, sendo eles o seu publico inicial, aonde adquiriram merchandising da banda e ajudaram a arcar um pouco com os custos do EP. Análogo é conhecida por correr atrás, fazer eventos e estarem dispostos a sempre ajudarem a cena local da melhor forma possível, seus eventos são recheados de boa música e tem como objetivo reunir os amigos.

Tive o privilégio de participar com uma das minhas bandas em um evento organizado pelos caras e foi ali que acompanhei os primeiros passos do EP que chegaria meses depois, intitulado "Não adianta FALAR, temos que GRITAR". Confesso que da primeira vez fiquei estasiado e me arrepiei ao ver as composições, as verdades eram impostas a base de gritos, como se fosse um desabafo e claro, é um desabafo. A arte foi a melhor maneira que os criciumenses encontraram para falar tudo o que acham do cenário atual, seja ele politico, cultural ou o que for.

O lançamento do EP marca os refrões furiosos e dispostos a vomitar verdades, algo do tipo que se o chapéu serviu, usufrua do mesmo. A banda consegue jogar a música lá em cima e dar uma descaída absurdamente impressionante, conseguem manter uma harmônia e uma cadência invejável mesmo com riffs fortes e pesados. Investindo no peso do Metalcore e numa mistura de Hardcore, os caras conseguem unir uma melodia rápida a uma melodia pesada e cadenciada e os gritos não aliviam, falar pra que?

Estamos recheados de novas músicas no Metal nacional, Análogo será mais uma banda que ao adquirir o CD, você estará guardando o que se tornará uma relíquia. Pois desde o início do disco sentimos o peso, a faixa que tem a responsabilidade de iniciar os trabalhos é "Ignorância em Massa", a música tem um trabalho sensacional na sua introdução com dedilhados e logo as frases "Não adianta FALAR, temos que GRITAR" vem a tona, até chegar a um breakingdown sensacional iniciada pelo contra-baixo, que da uma quebrada na música. Logo em seguida a minha favorita do disco, "Dogmática do Desespero", para mim a música mais bem trabalhada, principalmente na letra e também deixar de lado um pouco do gutural deixa a música mais chamativa, com backing vocals mais agudos e guturais com pitadas certas em momentos certos.




A terceira faixa é a "Teoria do Caos" para os fãs de Metalcore é a música que se encaixa perfeitamente pela sonoridade proposta pela banda desde o principio, é uma música agressiva, tanto pelos vocais como instrumentalmente, principalmente pelo solo de guitarra apresentado, extraordinário. Em seguida a música mais chamativa do disco todo, "Desorientado" que teve participação de Família ZL e Lucas Valcanaia. Família ZL é um grupo de RAP de Criciuma/SC e como eles mesmo afirmam em suas redes sociais, eles são "Sonhadores que acreditam num mundo sem armas, sem escravos do vicio, dinheiro ou uns dos outros. Sonhamos com um lugar onde nenhuma criança passa fome, e onde os adultos carregam sentimentos e não objetos, nem conceitos e sim sonhos." E essa mistura não poderia ter um resultado diferente do que o apresentado, a mistura de cdj, rap, riffs fortes de guitarra e vocais guturais é algo surreal, maravilhoso e arrepiante. 

Chegamos a última música, chamada "Ponto Cego Paralelo" e logo de cara, tomei um verdadeiro susto, uma música que começa com um violão e um groove de baixo memorável e viajante, já a letra, sem palavras. Acredito que pela levada que o CD vinha trazendo até chegar na última faixa, ninguém iria esperar por uma música mais light e isso só prova o que eu já tinha certeza, Análogo tem uma boa mão para composição. A falta de gutural na última música é surpreendente, talvez é um recado para quem os ouve: "sabemos compor de diversas maneiras, mas amamos o som que fazemos como Metalcore" e já não é de hoje que bandas vem abandonando o gutural aos poucos em algumas faixas e essa música me ganhou, assim como tenho certeza que ganhou muitos outros ouvintes não adeptos do gutural, é uma música para quebrar o gelo, é uma obra de arte.


TRACKLIST
01) - Ignorância em Massa
02) - Dogmática do Desespero
03) - Teoria do Caos
04) - Desorientado - Part. Família ZL & Lucas Valcanaia
05) - Ponto Cego Paralelo

FORMAÇÃO
Leonardo Maier - vocal
Mateus Colombo - bateria
Leandro Colombo - guitarra base
Robson Borges - guitarra solo

Sergio Nascimento - baixo

SIGA ANÁLOGO

← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

Um comentário: