26 julho, 2017

Resenha: Land of Lightning - Silent (2015)

Para esse que vos escreve, soa assustador receber um disco de uma banda que foi formada no ano do próprio nascimento, saber que depois de tanto tempo evolui como ser humano e de alguma forma pude cooperar com a história (que não é pequena) de uma banda do nível da Silent. Formada em 1991 em terras cariocas, a Silent foi fundada pelo vocalista e guitarrista, Gustavo Andriewiski, que incrivelmente se mantém firme a frente da banda até os dias atuais. A carreira do grupo é marcado por conquistas impressionantes, como por exemplo, estar presente na trilha sonora da novela da Globo, "O Mapa da Mina" e posteriormente entrado também em mais duas novelas, sendo elas: "Vira Lata" e "O Amor está no ar", fora outras marcas alcançadas de "menores expressão", porém, de extrema importância na formação da banda.




A sonoridade da banda é bem interessante, pitadas do Rock clássico internacional, Hard Rock como Whitesnake, e algo mais melódico como o gênero desconhecido por alguns ainda, o AOR. A arte da capa também chama a atenção, com uma proposta mais "clean", a capa e a contra-capa são simples e objetivas, mas o que economizaram na capa e contra-capa, depositaram no miolo do disco e no encarte. Com um encarte de várias páginas, todas as letras são impressas de modo de fácil visualização - impossível não cantar junto - e o miolo tem uma cor forte, alternando entre o roxo e o rosa. o que demonstra ser "clean" nas artes, também não condiz com a sonoridade.

Trazendo um Hard Rock pegado, que lembram Whitesnake e Deep Purple, esses disco veio para consolidar ainda mais a Silent no cenário musical nacional. Músicas que facilmente cabem em qualquer tipo de playlist e tem uma aceitação gigante, são um dos destaques, fora todas as técnicas apuradas e a fonte de boas composições. Músicas com refrões pegados e marcantes, riffs que grudam na cabeça, métrica envolvente, são umas das características apresentadas pelo grupo. Cada instrumento parece se completar, ao tocados quando unidos fazem uma energia, que nos força a fechar os olhos e sentir a música, e como músico digo, se conseguir fazer surtir esse efeito nos ouvintes do teu trabalho, é que estais no caminho certo.





Quando alguns artistas buscam fazer algo mais comercial para terem maior facilidade se se inserirem no mercado musical, as vezes se deixam levar por esse pensamento e conseguem não fazer música chiclete que fica na cabeça e sim, músicas que causam náuseas e não dão mais vontade de ouvir. A Silent sabe como compor comercialmente sim, comercialmente não, sabe fazer músicas para buscar diversos horizontes, sabe onde atacar e onde investir, ao mesmo tempo, criam sua sonoridade ímpar em base dessas afirmações, lembrando, afirmações de quem os conhece por fora, no caso, o que escreve este texto/resenha. Me encantou no disco a forma como coisas tão simples e objetivas, conseguem se tornarem tão surreais com o toque dos "temperos corretos", um Hard Rock cru e pegado, recebendo toques de AOR, causou um efeito me causou espanto e a o mesmo tempo, um sorriso por ter oportunidade de ouvir algo tão gratificante.


TRACKLIST
01 - Around the Sun
02 - Gone
03 - Hello, Hello!
04 - Bye, Bye Superman
05 - Numb
06 - Where Are We Going Now?
07 - Gravity
08 - One More Time
09 - The One Within'
10 - Land of Lightning
11 - Scene
12 -Home
13 - Dancing in the Morning Light
14 - Love Is (2016) Bonus Track


FORMAÇÃO
Gustavo Andriewiski - vocal, guitarra
Alex Cavalcanti - guitarra
Douglas Boiago - baixo
Luiz "Tilly" Alexandre - bateria


SIGA SILENT
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário