Resenha: Antípodas - Miasthenia (2017)

Confesso que não conhecia o Miasthenia, antes de começar com O SubSolo o Metal Extremo não fazia parte do meu dia a dia, de pouco em pouco ao receber novos discos, fui me inteirando do assunto e começando a gostar de algo mais pesado. Miasthenia tem uma carreira sólida e esse disco foi gravado por um power trio começa com a Hecate nos vocais e teclados, Thormianak nas guitarras e baixo e ótimo baterista V. Digger.




Como uma professora de história, Hecate traz belas letras nesse disco. Envolvente e suave como chute de mula na orelha, sim, é marretada na nuca. Para quem gosta de pancadaria, esse é um ótimo disco para jogar os pés para o alto no sofá e curtir bebendo uma cerveja artesanal, já que curiosamente nunca tinha ouvido um vocal extremo com tanta vibe e energia, tanto que para matar a curiosidade ouvi outros discos e fiquei convicto que sim, essa é uma característica ímpar de Hecate.

Um show a parte é o instrumental, aparentemente os dedos de Thormianak pegam fogo, com linhas ágeis e soberanas, trazem um peso acima do natural para todas as músicas, acordes criativos e não aquela balela reta que alguns guitarristas ainda insistem em nos enfiar guela abaixo. Gosto da forma como a bateria se desenvolve durante as músicas, harmonizada e cadenciada, geralmente traz uma pegada mais forte e avassaladora. Perturbador a forma como o instrumental se desenvolve, como se saíssem das raízes do inferno e atormentassem a nossa cabeça, nos fazendo bangear a todo instante, isso vem fervendo o sangue e ao mesmo tempo é relaxante para quem ouve em casa, mas dificilmente eu ficaria parado vendo esse disco sendo tocado ao vivo.

Impossível não falar desse digipack organizado e surreal. A capa é uma obra de arte, ao pesquisar, descobri que o artista responsável é Marcio Menezes da Blasphemator Artwork, que traz caveiras, navios e muita, mas muita criatividade e uma simplicidade no mínimo curiosa. Estou ainda para ver algum estilo que traga capas tão criativas quanto o Heavy Metal em geral, mas ultimamente vemos músicos tão preocupados com a arte do trabalho, como quanto com as músicas e isso, é ótimo para ambos os lados, para quem produz e para nós que temos acesso a essa obra de arte.

Material enviado pela Metal Media.


TRACKLIST
01) Ymaguare
02) Novus Orbis Profanum
03) Conjupuyaras
04) Antípodas
05) Ossário
06) 1542
07 Araka’e

08) Bestiários Humanos

FORMAÇÃO
Hécate - vocais e teclado
Thormianak - guitarra e baixo

Nygrom - bateria

← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário