Cobertura: Maniacs Metal Meeting (Rio Negrinho/SC) - Parte I

É com enorme prazer que trazemos a primeira parte da cobertura do festival Maniacs Metal Meeting, que ocorreu entre os dias 08 e 10 de dezembro.

Foi um ano de expectativa e ansiedade para a segunda edição do que já se consolidou como um dos maiores festivais de Metal de Santa Catarina e, quiçá, do Brasil.


Muitos headbangers chegaram na Fazenda Evaristo em Rio Negrinho/SC já na quinta-feira, para garantir seus lugares no camping, não perder nenhum show e, por que não, ter algumas horas a mais de festival. Fui uma das agraciadas. O pessoal já estava reunido, conversando e tomando umas cervejas no bar que não fechou em nenhum momento, conforme demandas anteriores (quem não se lembra do “ABRE O BAR” da primeira edição?). 

O clima de festival é realmente indescritível, sempre rola reencontro da galera de diferentes regiões do estado e você sempre sai com uns amigos a mais. Tudo isso num lugar lindo fica ainda melhor. A Fazenda Evaristo encanta à primeira vista. O local é amplo, cheio de belezas naturais e belo tanto durante o dia quanto à noite. A escolha não poderia ser mais acertada. 

Quero destacar aqui, antes de falarmos das bandas especificamente, o empenho de toda a equipe que constrói o MMM. É notável o compromisso com a qualidade, em todos os quesitos. Acredito que falo por toda a equipe do portal quando parabenizo a organização do Maniacs Metal Meeting.

Aproveito para parabenizar o Willba Dissidente, mestre de cerimônias no festival, que encantou com seu estilo e alto astral. Mais uma boa escolha da equipe.

Nesta edição acabei tendo que fazer a cobertura sozinha, pois uma outra colega também credenciada teve um imprevisto profissional e não pode estar presente. Por este motivo, peço compreensão pela demora na publicação e por quaisquer outras falhas.

Então, feitas as devidas considerações, vamos ao primeiro dia:

O festival foi aberto pelo Thrash Metal da Tressultor. Formada por Hans Kechele (vocal e baixo), Acelmo Kurowsky (guitarra), Renahn Grosch (guitarra) e Lucas Cruz (bateria), a banda é de São Bento do Sul/SC. Seu setlist incluía músicas autorais com letras em português e um cover de Raining Blood, que é sempre uma ótima pedida.



A segunda banda foi a Tandra. Conterrânea da Tressultor, a banda de Folk Metal é formada por Carlos Henrique Linzmeyer (acordeon), Christopher Schmitt Knop (guitarra e vocal), Felipe Ribeiro (Flautas), Felipe Franco (baixo e vocal), Gefferson Franco (guitarra e backing vocal) e Max Waltrick (bateria). A banda possui influências da cultura Nórdica e Celta, além de forte influência de Prog e Death Metal. Tandra mostrou a que veio, com um metal pesado muito bem mesclado com o Folk.



Foi a vez, então, da Válvera. A banda de Votuporanga/SP é formada por Glauber Barreto (vocal e guitarra), Rodrigo Torres (guitarras e backing vocal), Jesiel Lagoin (baixo) e Rafa Hernandez (bateria). O setlist da banda de Heavy Metal foi composto por músicas de seus dois álbuns, “Cidade em Caos” e “Back to Hell”.



Murillo Leite (vocal e guitarra), Rafael Orsi (guitarra), WPerna (baixo) e João Gobo (bateria) trouxeram Death Metal de São Paulo ao palco do MMM. Genocídio, que iniciou seus trabalhos nos anos 80, mostra maturidade, experiência e talento inegáveis. A banda tocou músicas próprias de seus discos, além de covers de bandas consagradas como Motörhead e Sarcófago. 


Era hora, então, da consagrada horda de Black Metal Luxúria de Lilith. Alysson Drakkar (vocal, guitarra e bateria), Yngrid Arkana (baixo e backing vocal) e Murilo Visceratum (guitarra – suporte na tour) trouxeram muita blasfêmia diretamente de Goiânia/GO. Eu nunca havia tido a oportunidade de assistir um show da banda e posso afirmar que me surpreendeu muito. A performance foi impecável de acordo com a proposta do Black Metal. Luxúria de Lillith não deixa a desejar em nenhum quesito.



Já vi Zombie Cookbook algumas vezes e é sempre um show muito carregado de terror, sangue e Metal Extremo, resultado em algo que a própria banda classifica como Dead Metal. Dr. Stink (vocal), Horace Bones (guitarra), Ed The Dead (guitarra), Purgy (baixo) e Dr Freudstein (bateria) formam a banda joinvillense que já possui anos de estrada. É importante ressaltar que esta foi o último show com este baterista, resta-nos aguardar o que vem por aí. 



No momento que Jailor subiu ao palco, eu já soube que precisaria destacá-la na cobertura. Eu já conhecia a banda e já apreciava suas composições muito elaboradas, mas ver a banda ao vivo foi uma experiência. A destreza e musicalidade no baixo, principalmente, leva o Thrash Metal da Jailor a outro patamar. Flávio Wyrwa (garganta, Emerson Niederauer (baixo), Guima (guitarra), Jefferson Verdani (bateria), Marcos Araújo (guitarra) formam esta banda curitibana que tem tudo para ser um grande nome do Thrash Metal nacional.


Não é a primeira vez que cubro um evento com Cassandra no cast e sigo afirmando que ver a performance dessa dupla é uma experiência que vai bem além de se sentir mero expectador. Os curitibanos Karina D'Alessandre (bateria) e Daniel Silveira (baixo e voz) fazem algo que é até mesmo difícil de descrever. Cassandra cria uma atmosfera pesada que causa inúmeras sensações com seu ritmo lento que vai crescendo em distorções graves e muito acertadas.



A última a se apresentar na sexta-feira foi a Ruínas de Sade, de Brusque/SC. A banda de Stoner Goat Psychadelic Bong Doom Heavy Blues (pois é, imagina tudo isso junto) deu continuidade à atmosfera criada pela banda anterior, trazendo a psicodelia ao máximo para fechar o primeiro dia de MMM.



Fique ligado n'O SubSolo nos próximos dias para conferir o restante da cobertura do Maniacs Metal Meeting 2017.

ACOMPANHE A PÁGINA DO FESTIVAL:

ACOMPANHE AS BANDAS:
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário