Especial Copa do Mundo 2018: Bandas de Cada Nação (Grupo A)

Bandas de Cada Nação é a coluna especial para celebrar as culturas que conheceremos na Copa do Mundo de 2018, que será realizada na Rússia. O frio país europeu irá abrigar parcialmente 32 nações durante um mês, onde, representadas por 23 jogadores e por torcedores fanáticos que estarão apoiando no estádio ou fora dele, cada seleção terá a oportunidade de mostrar do que seu país é feito e lutar pelo título máximo do futebol. Em homenagem a isso, buscamos, para cada Seleção participante, uma banda de Metal que imprime sua cultura local em seu som, para que o mundo todo possa conhecer suas raízes, seus ritmos, suas línguas e suas verdadeiras influências. Com vocês: Bandas de Cada Nação.




Grupo A
Arábia Saudita

Existem países que possuem fortes vínculos com a religião dominante, e nos países árabes isso é ainda mais potencializado. De cultura totalmente muçulmana, é difícil imaginar que exista liberdade para existência de grupos que sejam opositores ao islamismo, mas não foi difícil encontrar algo que eu estava buscando, e fiquei realmente deliciado em ouvir: uma banda de black metal com influências fortemente arábicas em seu som. Al-Namrood, que deriva de "o descrente" e descreve em seu conceito uma entidade maléfica e tirana que se auto-proclamou Deus de toda a criação. Na ativa a dez anos, o grupo já possui seis álbuns e trata de fincar suas influências culturais através de instrumentos típicos e idioma local nas músicas, o que acaba deixando o Black Metal com aspectos um pouco folk também.


Egito

As primeiras lembranças que tenho da cultura egípcia vem de minha infância, graças ao anime Yu-Gi-Oh!, com destaque ao clássico jogo da franquia para PlayStation One "Forbidden Memories". O jogo possuía, em determinadas etapas, uma trilha sonora que me marcou muito e se tornou referência de o que uma música que queira retratar o desértico clima da nação das pirâmides e faraós deve soar. Ao começar a ouvir a música abaixo me senti de volta a esses tempos e a era dos rituais aos poderosos Deuses Egípcios, mas com a imersiva fúria do Metal Extremo. Nathyr, além de colocar o ouvinte dentro de uma climática propícia para sua proposta, ainda trás trechos em árabe, o que torna a ambientação ainda mais sinistra e profunda. 


Rússia

O país anfitrião da Copa de 2018 é quase inteiramente composto por neve e gelo, e qual o gênero mais combina com esse clima? Se você pensou Black Metal, nossos pensamentos combinaram, e se foi mais meticuloso e pensou algo como Atmospheric Folk Black Metal, então você já tem em mente o que quero mostrar aqui. ДревоРод, ou, em nosso alfabeto convencional, Drevorod. As letras da banda somam a atmosfera trabalhada pelos instrumentos elétricos e acústicos, mergulhando o ouvinte numa jornada pelos ventos frios do norte. É uma experiência completa e que mostra muito bem o Metal da velha e gelada mãe Rússia. Drevorod possui dois full-lengths desde sua inauguração em 2015, e vale ficar atento a demais trabalhos, pois a qualidade é devastadora.


Uruguai

Do país com maior tradição no futebol desse grupo vem também a banda com mais tempo de atividade. Pecho e' Fierro roda país a fora desde 1998, com cinco álbuns gravados, gravações ao vivo e músicas que são populares na cultura Metal do país sul-americano. O principal destaque fica pelo uso do espanhol nas canções, que casam com temas que vão do Rock 'n Roll clássico ao Heavy Metal tradicional. No entanto, a Pecho e' Fierro levanta a bandeira do Folk Metal, graças as suas influências populares e culturais nas composições, que faz jus ao significado da palavra folk, que é povo, gente, nação. Ou seja, Folk Metal nada mais é do que levar algo de seu pátria ao encontro do Metal, então muita coisa pode ser inclusa nesse gênero, com a musicalidade de Pecho e' Fierro.

← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

3 comentários: