Especial Copa do Mundo 2018: Bandas de Cada Nação (Grupo B)

Em homenagem a Copa do Mundo de 2018, buscamos, para cada um dos 32 países participante, uma banda de Metal que imprime sua cultura local em seu som, para que o mundo todo possa conhecer suas raízes, seus ritmos, suas línguas e suas verdadeiras influências. Com vocês: Bandas de Cada Nação.




Grupo B
Espanha

Se tem uma banda que pode levantar muito alto a mesma bandeira da Fúria Roja é Tierra Santa. Desde o começo dos anos 1990 na ativa, trazendo em sua sonoridade elementos de Power e Heavy Metal, a banda tem uma coleção considerável de álbuns lançados, e todos eles com trabalhos em espanhol. Suas letras sobre combates, guerreiros e mitologias casam perfeitamente com as pegadas épicas de suas músicas, que contam com riffs que dançam em sua mente, e o uso inteligente do próprio idioma sem dúvidas deixa a banda à altura da seleção espanhola, uma das que postulam forte pelo título da Copa.


Irã

Confesso que foi difícil encontrar material das bandas que eu encontrava no Irã. Até que finalmente encontrei em Master of Persia os elementos que eu buscava: peso do Metal com pitadas da música típica da cultura iraniana. O resultado é uma senhora banda extremamente agressiva, que possui um baita trabalho nas linhas vocais (mesclando limpo com gutural sem exageros) e guitarras absurdamente técnicas. Cânticos em persa surgem na música, assim como instrumentos de sopro e de percussão tradicionais do Irã. A fusão é incrível e fico feliz em ter encontrado esse som da Master of Persia, que infelizmente possui apenas um full-length e alguns singles compartilhados na internet.


Marrocos

Sabe quando você encontra a banda e simplesmente sabe desde o começo que não vai se arrepender? Aqui está Analgesia como exemplo disso. A qualidade desse som, que até agora era desconhecido para mim, me obriga a ignora o fato de soar como uma banda europeia/americana de Metal Gótico ou Sinfônico, como preferirem. Com letras em inglês e musicalidade bastante ocidental, a maior referência a sua nação fica nas temáticas abordadas, principalmente no que se refere a conflitos civis que o país enfrenta ocasionalmente ao longo de vários anos. Para fãs de Metal Melódico, Analgesia se torna obrigatoriedade em suas playlists. E, assim como o Irã, a seleção de Marrocos não promete muita coisa nesse acirrado grupo encabeçado por Espanha e Portugal, mas aqui, falando de música, admito que os dois disparam na frente com os concorrentes aqui escalados.


Portugal

Apesar de ter seu nome em inglês, Midnight Priest possui músicas em português raiz e com características infincadas no que há de melhor no Heavy Metal tradicional: riffs que fazem a cabeça balançar enquanto erguemos os braços simulando uma air guitar. Os vocais sombrios com o peculiar sotaque lusitano surpreendem com agudos à lá King Diamond. O refrão (referência direta a uma certa banda, talvez?) fica na cabeça e na segunda repetição você já está cantando junto -inclusive com o sotaque! A banda possui dois álbuns gravados e eu simplesmente queria muito ver um show desses caras, pois a energia obscura de Midnight Priest é exatamente aquela que buscamos no bom e velho Heavy Metal. Assim como na Copa, Portugal está muito bem representado aqui.


← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário