Resenha: Somente as Palavras São Imortais (Livro/2017)

Daniel Teixeira Jerônimo, melhor conhecido pelos alunos como Professor Daniel, conhecido pelo cenário underground de Russo, mas, conhecido por todos como um ser humano exemplar. Esse é a típica amizade que todos merecem, uma cerveja gelada na mesa e ótimas histórias. "Daniel Russo" como é carinhosamente chamado, é um contador de histórias nato, conta com uma leveza e uma vontade inexplicável de contar e explicar minimamente cada detalhe. Se um dia você quiser conhecer a cidade de Criciúma/SC, não existe melhor guia turístico.




Daniel se dedica ao cenário underground já faz catorze (14) anos, com a mídia A Hora Hard, professor de história na cidade de Criciúma, viu sua vida seguir o trilho catarinense.  Nascido em Imbituba, seguiu o trilho e mudou para Tubarão, de Tubarão mais uma vez seguiu o trilho e criou raízes na cidade carvoeira. Se tem uma coincidência entre seguir o trilho e morar na cidade carvoeira, não faço a mínima ideia, mas é um dos pequenos trechos contido no livro. 

Poderia compartilhar muitas frases que me marcaram nesse livro, nem tudo aqui é de felicidade, é verdade. Mas, isso é um tanto quanto normal quando abrimos nossos corações em um livro. Esse registro é importante, pois sempre apoiando, corrigindo e participando de outros lançamentos, faltava o SEU registro e ele veio como um meteoro. A primeira prensagem logo se esgotou e a segunda praticamente não existe mais. Seu maior público foram alunos e admiradores (sim, como eu).

Para uma pessoa assim como eu, que não consegue digerir bem livros lidos e que não tem a facilidade de lê-los, devorei o livro em um único dia. A cada página uma reação, sorrisos, confusão, alerta, pensativo, mas no fim uma única expressão: orgulhoso.

A vida é uma única, palavras ditas nunca voltam, elas marcam e cicatrizam, jamais são esquecidas. Realmente Daniel, "Somente as Palavras São Imortais". Se todos nós guardássemos com carinho cada frase inventada por nossa cabeça desde pequenos, muito provavelmente teríamos um livro, mas tal ideias partem sempre de uma mente criativa, mal estou escrevendo e a vontade de ler o livro, volta com frequência.

 A cada frase consigo imaginar as situações que o grande amigo passou. Recorda-las deve ser motivo de alegria, talvez chorar por ver recordações tão prazerosas, mas na verdade, nem tão prazerosas todas são, afinal, a vida não é só flores. Mas as lágrimas podem percorrerem pelos nossos rostos por sabermos que vencemos batalhas, que hoje possam ser fáceis pois evoluímos, mas no provável instante, pode ter sido mais árdua, pois até descobrir como resolver buscamos alternativas. 




Leio esse livro com maior orgulho, talvez o texto seja mais um depoimento do que uma resenha, difícil explicar os sentimentos que obtive ao ler esse trabalho. Me encanta como Daniel Russo consegue em meio da cultura transbordar tanta informação e ainda ter tempo para lançar algo seu. Me admira ver um ser humano de ouro que sempre busca ajudar as outras pessoas e meio que esquece de si mesmo, para nossa felicidade o mesmo olhou para dentro de si e decidiu: "É hora de lançar o MEU livro!" no fim, ficamos com esse registro.

No final de nossas vidas, nossos ossos, carne e bens materiais viram em  nada, mas tudo o que deixamos registrado vira história.

"Pássaros de mesma plumagem,
Sempre voam no mesmo bando" (Daniel Russo)
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário