Resenha: Despertar - Antítese (2017)

Antítese nasceu em terras criciumenses como um meteoro. Apostaram em um produtor da terra natal e nunca imaginaram que o cara cresceria de uma forma gigantesca em poucos meses, falamos do brilhante Adair Daufembach. O produtor veio a trabalhar futuramente com outras bandas grandes do cenário, tais como Project 46.




Pouco a pouco, Antítese foi ganhando espaço a euforia com o lançamento do videoclipe "Estátua" separou "os meninos dos homens" e mostrou que a banda estava querendo alcançar um patamar que necessitaria de muito trabalho, eis isto que até os dias atuais nunca faltou, afinal, a banda foi até por conta própria participar de um concurso em São Paulo e o resultado foi serem classificados para a próxima fase.

O primeiro disco "Ser Igual" foi muito bem elogiado pela critica especializada, um dos pontos mais elogiados foram os refrões com uma pegada forte e com o destaque da voz grave e poderosa de Talita Oliveira. Mas infelizmente esse quesito ficou em falta no lançamento deste novo EP, sentindo a falta de uma pegada mais Hard Rock e visceral nos refrões marcantes registrados em "Ser Igual" .

Em contrapartida o EP "Despertar", traz um maior trabalho de riffs de guitarras, realizado pela dupla Leandro Oliveira (desde os primórdios integrando a banda) e Fabricio Biava. Só por isso citado, vemos que temos um trabalho um pouco diferente do primeiro registro e sabemos que após um primeiro disco, o segundo registro é mais importante ainda, pois é ele quem dá uma continuação de uma história escrita.

Portanto quem ouviu o "Ser Igual" e agora ouve o "Despertar", estranha algumas mudanças, mas isso se deve um pouco a pequenas trocas na formação. Uma das coisas que ficou ainda melhor, foi a maior presença das guitarras bases. Um peso que faltava no Hard Rock da Antítese, certa qualidade que faltou um pouco no primeiro trabalho. A presença do baixo é mais notável e facilmente podemos sentir linhas de bateria mais solta e mais pesada em algumas músicas.




O que ganhou ainda mais destaque, foram os teclados. Em alguns shows da Antítese em suas releituras o teclado tinha mais presença do que no primeiro disco, e agora no EP, o teclado ganha uma parte fundamental no desenvolvimento das músicas, excelente trabalho de Guilherme Oliveira. Difícil não citar as vozes de Talita Oliveira, mais uma vez dando aula de vocais. Sua presença de palco já é formidável, mas sua voz encanta e comove. A jovem vocalista consegue encaixar sua voz em qualquer tipo de música.

A parte gráfica também deu um show de bola, a capa de "Despertar" é mais impactante e recebe mais opções de cores, tanto na capa como na contra capa. Mostrando assim nesse material físico uma objetividade gigantesca, assim como todo o EP. Por mais que tenha distribuído algumas críticas, achei que era necessário, mas, gostei bastante deste EP. Fica o adendo para voltarem a massacrar nossas mentes com refrões pesados e grudentos, como foi em "Ser Igual".


FORMAÇÃO
Talita Oliveira - vocal
Leandro Oliveira - guitarra
Fabricio Biava - guitarra
Guilherme Oliveira - teclado
Sandro Vidotto - baixo
Kelvin Saviski - bateria

TRACKLIST
01) Nosso Fim
02) Liberdade Condicional
03) Nova História
04) Realidade Afinal
05) Status
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário