Resenha: 7TH - Drowned (2018)

Eis que tenho uma banda de Thrash para resenhar! Bora preparar a orelha que lá vem sabugo.7th, como o nome já deixa claro, é o sétimo álbum dos veteranos de BH, e promete te deixar desnorteado 11 vezes. A capa é bem espartana, tem algumas texturas bem distantes, mas em suma é o logo da banda e o nome do play, sem frescura.




Assim que é dado o play já vem um grito e começa "The Bitter Art of Detestation" com intro de bateria bem cheia de groove e entra o som como se espera: pesado, bem trabalhado, técnico e agressivo. Destaque para as vozes bem apresentadas com backing vocals muito bem colocados

Na sequência tem "Rage Before Some Hope" e de novo o peso não decepciona. O disco está bem produzido, com muitos detalhes a serem observados enquanto se aprecia a qualidade das composições e eu tive a certeza de que o estilo da banda é mais melodioso que de muitas do mesmo gênero, mostrando arranjos clean e passagens menos agressivas que servem de prenúncio para a agressividade voltar. Destaque nesse ponto para o baixista que colocou linhas bem feitas e que valorizam o instrumento sempre que possível.

Em "Toothless Messiah" temos uma intro que convida a esperar pela música e realmente vale a pena, os vocais variam um pouco, a velocidade dá lugar às passagens melodiosas e ao mesmo tempo pesadas da terceira faixa. (ouçam até o final que tem finalzinho com vozes pra cantar junto!)

Agora vem "Murder, Sex, Hate and More" e, como o nome sugere, lá vem sabugo. Música bem agressiva e com passagens interessantes cheias de arranjos de baixo e temas de guitarra. Vamos à quinta faixa, "Violent March of Chaos" e mesmo que eu tenha notado algo antes, desa vez ficou mais claro, tem uma teclado ali? É discreto, mas dá pra pegar um tecladinho trazendo um peso extra e montando uma base para a banda..... E não é que ele volta depois, com maior evidência? Gostei!

Em "Damaged Wood Coffins" a coisa começa séria, com intro clean e vozes em português dizendo coisas como "sepultura", "caixão de madeira podre", e assim por diante, mostrando a atmosfera da música, e logo no primeiro riff, novamente o baixista vem com força e complementa a ideia da música. No final tem um violão bem bacana fazendo um tema bem leve. Gostei do contraste com a música toda.

Chegou o grande momento, faixa 7 do sétimo disco! "Epidemic and God Selfishness" Uma música com riff marcante e melodioso, com questionamentos quase narrados antes do refrão, muito interessante. "Elitist Heaven Ruled By Devil" começa com um riff bem marcado e entra na música que assim como as outras tem bastante oscilação rítmica, deixando tudo mais interessante e de certa forma mais moderno.

"The Time Bomb Conscience", começa com efeito de bomba relógio, rola uma explosão e vem a música, cheia de ênfase e groove. Adivinha quem volta no meio da música? Teclado de novo! Sensacional. Praticamente emendadas, na sequência tem "KRH317" cheia de riffs e temas, bem agressiva e reforçando que se você ouviu até aqui, já acostumou com o que a banda tem pra oferecer.

Chegando no fim do disco, última música "Ministry of National Inquisition", virada curta de bateria e desce a lenha com mais peso. Riff rasgado e solado, entra um som com variações de velocidade, cada vez mais peso e mudanças drásticas no meio das etapas. 

O disco é bem legal, tem 46 minutos de peso incessante e vale cada segundo.  A banda está ativa desde 1994 e tantos anos de estrada trouxeram maturidade e criatividade para o quinteto.  7th não decepciona e pra quem gosta do estilo, é um banquete!

Material recebido pela Metal Media.


FORMAÇÃO
Fernando Lima - voz
Marcos Amorim - guitarra
Kerley Ribeiro - guitarra
Rafael Porto - baixo
Beto Loureiro - bateria

TRACKLIST
01) The Bitter Art of Detestation
02) Rage Before Some Hope
03) Toothless Messiah
04) Murder, Sex, Hate & More
05) Violent March of Chaos
06) Damage Wood Coffin
07) Epidemic And God Selfishness
08) Elitist Heaven Ruled By Devil
09) Timebomb Conscience
10) Krh317
11) Ministry of National Inquisition
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário