21 dezembro, 2018

Resenha: Path to Darkness - Outlaw (2018)

Quem acompanha a cena mais extrema sabe a representatividade da horda Dissection, para o Metal Negro, e por mais que seu líder e mentor Jon Nödtveidt, fosse uma mente confusa e perturbada é inegável referenciar o peso de sua arte. E digo isso, porque mesmo sem conhecer os integrantes da horda Outlaw consigo prever que nós compartilhamos da mesma visão, afinal de contas, não é só pelo cover de "The Somberlain” que é possível fazer essa afirmação, pois a obra da horda composta por D nas guitarras e vocais B no Baixo e C na bateria nos remete aos melhores momentos do Black Metal Europeu na década de 90. Porém, com personalidade e arranjos próprios fazendo Path To Darkness um grande opus.




O simbolismo esta presente não apenas nas letras, como é possível perceber na capa que ostenta uma estrela universal, tal símbolo faz referência ao plano de Qliphot, uma região dominadas pelas forças obscuras e tenha certeza a audição desse trabalho te levará para uma viagem só de ida.

"Darkness Corners" e "Path to Darkness" são fantásticas, verdadeiros odes a escuridão, sendo que essas canções poderiam estar em qualquer trabalho lançado na cena europeia. Mas antes que acusem a banda de viver a sombra de grandes nomes, temos “Kali Youga” que traz a participação de Heverton “Áscaris” Souza do Imperium Infernale, nos vocais e Death Blow” que mostra um andamento muito criativo.

Outlaw é misterioso, sombrio e acima de tudo, macabro. O que são os pré requisitos cruciais para um grande registro de Black Metal

Material enviado pela Heavy Metal Rock.

TRACKLIST
01) Intro
02) Darkest Corners
03) Path To Darkness
04) Mahapralaya
05) Death Blow
06) Kali Yuga
07) Cursed Blood
08) The Somberlain (Dissection Tribute)