#20 - De músico para músico - Comportamento - Tinha prazo e furou, e agora?


#20 - De músico para músico - Comportamento - Tinha prazo e furou, e agora?

Aí tinha um cronograma, reuniões, tudo certinho e o que aconteceu? Furou tudo, deu tudo errado, estourou prazo e todos ficaram desmotivados….. o que fazer?



Óbvio que estamos falando de compromissos que não sejam festivais ou shows, afinal isso não tem atraso, é falta mesmo!

Agora, cronogramas são feitos com base em datas que desejamos ser reais, e infelizmente nem sempre são de fato reais.

O caso seria o seguinte: Banda se compromete em montar um novo material, as composições ainda não existem e a data foi estipulada. Não tem assessoria envolvida, apenas a responsabilidade da banda.

O procedimento pra isso dar certo não é de todo impossível, seja lá qual for a data de entrega.

  • Cada um fazer sua parte;
  • Chegar nos ensaios com material estudado;
  • Saber ouvir os amiguinhos;
  • Dedicar tempo para a banda;
  • Blábláblá, o fato é dar errado, então chega de dicas pra dar certo (rsrs).

Então estourou o tempo e está todo mundo com cara de quem comeu jantar estragado ontem.

Vamos aos temas de correção:

  • Identificar quem foi a âncora, quem atrasou mais;
  • Ou identificar o que causou o atraso;
  • Ninguém é mãe pra dar lição de moral, deixe isso na cabeça;
  • Buscar maneiras de resolver o mais brevemente possível;
  • Manter a cuca fresca.

O caso é sempre grave, qualquer quebra de acordo é grave mesmo que seja algo simples e sem contrato. A ideia é manter a palavra, a responsabilidade e o compromisso.

Se o fulano não teve como desprender tempo e compor, tire essa obrigação dele. Mas a conversa precisa ser clara e objetiva, sem rodeios.

O ciclano não conseguiu pois teve uma viagem/projeto/problema/B.O. no trabalho/família - Bom, aí o caso é individual e precisa ser recuperado. Se é caso atípico, o lance é correr e fazer tudo pra perder menos tempo na recuperação.

Em todo grupo de pessoas existe um âncora, seja em grande ou pequena escala. O bonito da coisa é ter alguém no grupo que consegue identificar essa pessoa e ajudar a corrigir essas falhas.

Nos tópicos anteriores mencionei “identificar” e “corrigir” como se fosse igual selecionar num arquivo e jogar fora num cesto de lixo! Naturalmente, é mais difícil localizar do que corrigir.

A banda depende de um integrante que seja mais proativo, mas isso serve para diversas situações de grupo, não só na música.

Um caso interessante é algum dos envolvidos, um pouco antes de o prazo furar, levantar a bandeira da correria e tentar minimizar o prejuízo do atraso. Isso pode acontecer um pouco mais facilmente do que a tal localização do problema.

Seguem detalhes para minimizar prejuízos:

  • Composição - Tomar cuidado pra não sair entregando qualquer coisa, sem esmero, só por causa do prazo. Ter consciência.
  • Gravação - Caso complexo, definição de horários, tudo bem chatinho. Negócio é marcar pra ONTEM e resolver. Cabe aos envolvidos terem estudado bem o material.
  • Entrega de material ou dinheiro - Esse é o pior caso… Muito provavelmente tudo foi deixado na incumbência do fulano e ele deixou o prazo estourar… ou pior, a banda se comprometeu em pagar e não conseguiu juntar a grana. Esse caso demanda reestrutura e reorganização. Talvez até uma troca de responsabilidades.

Os processos de amenização:

  • Informar aos envolvidos sobre o atraso, se possível até mesmo antes de ocorrer. (integrantes, outras bandas, selo, estúdio, etc);
  • Já deixar pago algum prejuízo de terceiros que seu atraso pode vir a gerar;
  • No caso de lançamento, o ideal é avisar nas redes sociais sobre o atraso, sem mentiras.

O ideal é ter compromisso, mas como falhou, não adianta chorar, tem que assumir o erro e bola pra frente.

Fazer acontecer é sempre complexo, mas com sinceridade, amizade, sendo gente boa, pensando no próximo… tudo tende a se abrir mais facilmente.

Até a próxima!

← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial