27 janeiro, 2020

Resenha: Retirantes do Holocausto - Invokaos (2019)


Em tempos de resistência, a arte se mostra como uma voz que não pode ser silenciada e procurando se expressar da forma mais brutal que conseguir, a Invokaos chega nesse seu primeiro debut, com a convicção de causar o caos sonoro a todos que se dedicarem a ouvir sua obra. 

Impossível fazer uma resenha desse material sem primeiro analisar a sua capa, onde temos uma releitura de Os Retirantes. A pintura assinada por Candido Portinari, aqui ganha o acréscimo dos personagens do álbum, entre eles, a mascote Kira. 

Indo para a parte sonora a Invokaos entra naquele seleto grupo de bandas que podem se classificar como Metal, porque eles sabem beber das mais variadas fontes da música extrema, colocá-los em um só nicho seria falho. 

"Cânticos Sertânicos" é uma boa intro com pouco mais de um minuto é uma singela homenagem a música nordestina. "Black Cobra" é Death Metal em português e admiro muito bandas que conseguem gravar nesse formato, sem perder peso e tendo algo a dizer. Essa boa percepção se estende por todo o álbum, "Desigualdade, Impunidade" é um Crossover feito para o Mosh, com direito aquela quebra de andamento bem influente do Thrash. Nessa mesma pegada temos "Clube da Luta" e "Canibalismo e Caos" que me lembrou o "Metal Maloka" do Claustrofobia e em outros momentos, o Hardcore do Ratos de Porão

Mesmo não conhecendo os músicos da Invokaos, consigo afirmar que eles são muito fãs de Metal Extremo, pois depois de mostrarem domínios do Death e Thrash, eles não se abstêm em usar influências tanto do Black Metal, evidente em Não é minha culpa, principalmente nos vocais quanto de Grindcore, nas faixas "Necrocarniçal" e "Malditosom esse que é uma homenagem ao grande cineasta brasileiro, Zé do Caixão. 

Um trabalho dinâmico,  com muitos acertos! Particularmente, a banda se destaca, na minha opinião, nas suas passagens mais Death/Grind e nas letras que foram bem escritas, sabendo bem transmitir suas mensagens. Cabe a Invokaos agora, continuar lapidando sua proposta, pois eles tem exatamente aquilo que esperamos de uma banda de metal brasileira, aquela agressividade latente em cada nota e olhando bem para nosso cenário atual, tem como ser diferente?

TRACKLIST
1) Cânticos Sertânicos
2) Black Cobra
3) Desigualdade, Impunidade
4) Clube da Luta
5) Maldito
6) Canibalismo e Caos
7) Não É Minha Culpa
8) Meritocracia?
9) Necrocarniçal
10) Não Servirei
11) Cannabis Satani

FORMAÇÃO
Bruno Bacchiega - vocais
Alexandre Jansen - guitarra
Léo Bulhões - baixo
Thiago Queiroz - bateria