15 junho, 2020

Resenha: Cenas Brutais - Eskröta (2020)

Depois da ótima receptividade do EP "Eticamente Questionável", criava-se um ‘hype’ para o primeiro 'debut' da Eskröta. Após estabelecer sua formação com Yasmin nas guitarras e vocal, Tamy no baixo e Jhon França na bateria, foi lançado o "Cenas Brutais" que a priori,  não só reafirma o grupo paulista como um forte nome no cenário 'Crossover', como também mostra uma evolução sonora e a já tradicional grande acidez nas suas letras.


"Cenas Brutais" já nos chama a atenção pela capa, feita por Alcides Burns, elogiar o trabalho do artista gráfico é chover no molhado, mas é bem interessante notar como ele consegue transportar,  por meio da imagem, a mensagem que a banda quer transmitir. 




O trabalho abre com Grita, que me passou uma sensação de desabafo, pois é até difícil, pelo menos para nós homens, mensurar toda a pressão que as mulheres passam na nossa sociedade. Claro que tivemos avanços significativos nesse aspecto, mas ainda estamos longe do ideal, e essa música passa bem essa sensação, um ótimo abre alas para a violência que teremos a seguir.

Tribunal Popular é uma das minhas favoritas, vale lembrar que não faz muito tempo que um programa sensacionalista divulgou para uma mãe, a morte da sua filha ao vivo, sem a menor empatia e senso de responsabilidade, é à isso que a canção se refere.

Para comemorar esse grande trabalho, a Eskröta convidou alguns amigos que a banda adquiriu ao longo da sua jornada e eles incrementam ainda mais o trabalho. Vai se Arrepender tem a presença de Mayara Puertas, do Torture Squad, trazendo influências de 'Death' metal principalmente nos vocais. "Refugges" conta com os vocais de Ferannda Lira e assim como no EP... que apresenta "Burn The Poor", essa aqui é uma composição em inglês e fica nítido como o vocal da Lira é inconfundível. A terceira participação é de Hugo Golon da Cemitério, que canta na faixa "Filha De Satanás", outro grande destaque, na minha opinião, pois ela faz citação ao filme Carrie: A Estranha, da obra de Stephen King.

"Cenas Brutais" consolida o nome Eskröta na cena e mostra que engana-se quem achava que música não pode ter engajamento e mensagem fortes, afinal de contas, vivemos tempos onde as cenas brutais já fazem parte do nosso cotidiano. 



TRACKLIST

01) Grita

02) Tribunal Popular

03) Vai Se Arrepender (feat. Mayara Puertas)
04) Cárcere
05) Cruzamento Maldito
06)  Condenados
07) Não Vale Nada
08) Massacre
09) Follow The Money
10) Refugees (feat. Fernanda Lira)
11) Filha do Satanás (feat. Hugo Golon)

FORMAÇÃO
Ya Amaral - vocalista e guitarrista
Tamy - baixista e backing vocal
Jonh França - baterista