22 junho, 2020

Resenha: Indigesto - Rankatoko (2019)

A banda impressiona com talentos essenciais ao Groove Metal; o mais ressaltante sendo as diferentes sessões em suas músicas que se conectam perfeitamente mesmo quando tocando em ritmos contrastantes. O choque das duas “frases” se encaixando garante uma sensação de “impacto” entre as mudanças de riffs (coisa que muitas bandas falham, tornando a estrutura das músicas confusas e deixando o ouvinte perdido). Este efeito de impacto é amplificado quando a banda mostra uma ótima implementação de ritmos bem pensados; dando personalidade e pegada à cada riff ao invés de simplesmente manter sessões diferentes que simplesmente mantém o mesmo passo. Os riffs se tornam ainda mais engajantes com a junção dos fortes vocais característicos de Hardcore /Grindcore sempre bem encaixados à rítmica de cada sessão.


Com ação do baixo ressaltante (contento até mesmo solos) e harmonias interessantes (boas escolhas de notas e melodias com tons malignos) a banda mostra um aguçado senso de atenção aos detalhes; muitos considerados desnecessários por bandas do gênero por serem apenas “pequenos momentos que poucos vão apreciar”... mas é com pequenas partes que se monta um todo. Além do satisfatório barulho de suas músicas, um dos detalhes a se ressaltar é o domínio da ambientação em algumas de suas introduções e pontes que concedem uma sensação de desolação e vazio que constrói no ouvinte a expectativa do que está por vir. Novamente, a atenção aos detalhes fora da brutalidade de seu som não passa desapercebido.

Se existe algo para criticar ao release seria a mix do vocal que parece não encaixar tão bem quanto o resto dos instrumentos. Além disso, a banda parece ainda estar conciliando suas características de Grindcore com seus outros atributos. Não que não tenham momentos onde blast beats fossem bem encaixados, mas muitos desses podem soar um pouco genéricos considerando o quão encaixados seus outros riffs são.

O álbum é constituído de timbres de guitarras ótimos e um baixo claro e discernível; permitindo que cada um faça o seu trabalho e complete um ao outro. Considerando a alta qualidade da produção, é uma bem-vinda surpresa quando a banda utiliza de componentes não tradicionais ao Death ou Groove Metal. Efeitos sonoros, efeitos incomuns de guitarras e instrumentos percussivos encaixam perfeitamente ao Death Metal feito pela banda. A mistura de todas essas qualidades geram um som memorável e interessante da primeira à décima vez ouvindo.

TRACKLIST
01) Intro
02) Tirania
03) Entorpecido
04) Medo
05) Raça Humana
06) Cangaço
07) Chacina ou Camburão
08) Farsa
09) Manipulado
10) Rankatoko

FORMAÇÃO
Marcelo Viera - Vocais
Edward (Xaxa) - Guitarra
Alex Souza - Baixo
Eduardo (Jamaica) - Bateria