17 junho, 2020

Resenha: Ragnarok - Bloodshed Walhalla (2018)

A influência do Bathory para a música extrema é algo indiscutível, milhares de bandas surgiram para homenagear a obra de Quorthonum gênio que teve sua carreira abreviada, deixando para os fãs, obras indiscutíveis.



Procurando homenagear da melhor forma possível a sua banda favorita o músico italiano Drakhen criou o projeto Bloodshed Walhalla que de maneira interrupta lançou três demos nos anos de 2008 á 2010 e nesse ultimo saiu o seu primeiro full The legend of Viking e no ano de 2018 sai o seu mais recente trabalho Ragnarok.

Com apenas 04 músicas espalhadas em uma hora de hora de som, é impossível não se sentir em uma jornada pelos mares do norte indo em direção ao fim do mundo lutando pela honra dos deuses, posso estar exagerando? Talvez mas é porque a obra aqui tem um apuro técnico muito forte e pesquisa, dá para perceber que as letras e os arranjos são todos feitos com esmero, note que alguns momentos você irá ouvir passagens que remetem ao cavalgar de cavalos, barulhos de espadas tudo moldado ao mais puro Death, Black Metal e Folk, pois Viking é relacionado às letras, certo?

Por isso que arrisco dizer que é até difícil falar das faixas separadas, já que a abertura com "Ragnarok" até o final com "For My God" quem chega próximo dos 30 minutos o que temos é uma peça em forma de música. Então minha dica para ouvir esse trabalho é fones de ouvido e tempo para embarcar na proposta, chega ate ser curioso que as partes mais quentes da Europa  tenha dado origem a um verdadeiro trabalho de alma Viking, sem dúvida mestre Quorthon estaria orgulhoso. 


TRACKLIST
01) Ragnarok 
02) My Mother Earth  
03) Like Your son
04) For My God 

Todos os instrumentos e vocais gravados por: Drakhen