04 julho, 2020

Topfive: cinco bandas para ouvir neste final de semana #155

Senhoras e senhores, com a mais digníssima honra, o Top Five do seu fim de semana retornou. Wendell Pivetta, criador de conteúdo d'O Subsolo, digita emocionado este texto de um clássico deste site designado à boa música, apresentando nossas preciosidades musicais deste gigante Brasil.



01) NoFearz - New Metal - Rio de Janeiro/RJ

Começo com o New Metal do Rio de Janeiro, de uma das bandas de prodígios da cena independente. A NoFearz vem crescendo cada vez mais, investindo em estudos musicais, equipamentos e conseguindo inclusive atuar em shows dentro das possibilidades digitais. Através da música, a banda passa mensagens positivas, repassando coragem para as pessoas enfrentarem as dificuldades do cotidiano.


02) Evernoise - Metal - São Paulo/SP

Ecoando temas sociais, políticos e religiosos, a Evernoise apresenta uma potente sonoridade, com o bom português a claras. Banda da grande São Paulo, tem seu diferencial, com velocidade e uma ótima técnica musical.



03) Elephantus - Stoner Rock - Blumenau/SC

Santa Catarina é um estado repleto de areia das belíssimas praias, e neste meio conheci a Elephantus com referenciais de areias do deserto do Saara. O duo de Stoner Rock apresenta pitadas musicais do Oriente Médio e ritmos brasileiros. Mesmo apresentando uma produção "crua", a banda surpreende e eu aposto minhas fichas em trabalhos futuros de muita qualidade desta linha musical apresentada pela banda.



04) Ossos Cruzados - Thrash Metal - Hardcore - Taboão da Serra/SP

A Ossos Cruzados é uma banda de Hardcore Punk com influências Thrash Metal, muito bem apresentados. Particularmente apresento um single, cujo o qual, eu dou risada e ao mesmo tempo degusto de uma grande sonoridade com uma analogia fenomenal. Não preciso mais digitar, apenas deixar a jogada acontecer.


05) Diokane - Punk - Hardcore - Porto Alegre/RS


Finalizo o retorno do TopFive com a banda Diokane, expressando seus descontentamentos em forma de música. A banda acredita que a expressão musical seja uma forma positiva de extravasar, servindo como gatilho para detonar os demônios e tentar manter a sanidade na vida real. Proposta cabível em tempos atuais.