04 novembro, 2020

Resenha: Open Source - Kiko Loureiro (2020)

Caro leitor permita me ser bem honesto com vocês, cds instrumentais de guitarristas correm o sério risco de serem uma grande demonstração de técnica e de ego maior ainda, claro que temos nomes que fogem dessa armadilha obvia e ai não me nego de citar dois guitarristas brasileiros: Andreas Kisser e Kiko Loureiro que nas suas carreiras solo tomaram a decisão de explorar mais a sua sonoridade afastando se assim daquela sensação de que seu trabalho e apenas uma sobra de estúdio que não usaram nas suas banda principais. 



No caso do Kiko Loureiro ele vem com seu quinto trabalho solo, e se desde No Gravity (2005), ele mostra ser bastante versátil aqui em Open Source ele vai além mostrando que esta no Megadeth por méritos, porque convenhamos,  não é qualquer musico que consegue beber de fontes tão dicotômicas que vão de Animals as Leaders ao MPB. 

Provavelmente a saudade dos tempos de Angra bateu pois ele traz para esse registro Felipe Andreoli no baixo que já é e Bruno Valverde na bateria e também uma participação do monstro Marty Friedman

Como vocalista da uma vontade monstro de cantar em cima de algumas musicas e as onze faixas aqui são extremamente “cantáveis” além de técnicas que irá causar o desespero de guitarristas que terão horas e horas de estudo para conseguir reproduzir esses sons. 

Overflow tem alguns segundos de calmaria e já entrega uma faixa que é a cara do Guitar Hero brasileiro, ela vai de momentos mais calmos para levadas bem metal e quando você pensa que a musica já te impressionou ela vai além, EDM (e-Dependent Mind), foi o primeiro single e possui um clipe que tem uma critica fantástica, o som chama atenção pelas influencias de Djent com certeza um aspecto que não tínhamos visto ainda ser muito explorado na carreira do músico. 

Então dale virtuose do encontro de Loureiro e Friedman em Iminent Threat e na sua parceria com o guitarrista brasileiro Matheus Asato, temos um fusion extremo não sei se existe esse rotulo ou se estou inventando agora mais é para e a melhor forma de ambientar a musica em aqui apresentada que ao lado de In Motion e Black Ice são momentos quase Thrash Metal, parece que Mustaine está sendo uma ótima influência. 

Mas quem conhece a fundo o trabalho do Kiko sabe que a brasilidade é uma marca que ele nunca vai deixar de lado por isso Sertão vem cumprir essa tarefa de forma não menos brilhante e quando você pensa que nada pode te surpreender temos Running With the Bulls outra paulada e Du Monde que fecha o trabalho de forma não menos que excelente. 

Maturidade e talento são as peças chave desse trabalho que consegue mudar completamente meus esteriótipos referente a musica instrumental.

Ouçam o Open Source na íntegra no YouTube:



TRACKLIST
01) Overflow 
02) EDM (e-Dependent Mind) 
03) Iminent Threat 
04) Liquid Times 
05) Sertão 
06) Vital Signs 
07) Dreamlike 
08) Black Ice 
09) In Motion 
10) Running With the Bulls 
11) Du Monde 

FORMAÇÃO
Kiko Loureiro - guitarras 
Felipe Andreoli - baixo 
Bruno Valverde- bateria